Grito contra a desigualdade, a violência e o fim dos direitos sociais

Compartilhe:

Paz e Bem!

Contra os diversos tipos de violência, contra desigualdade social, pelo fim da violência, da injustiça, da criminalidade; pelos direitos fundamentais de saúde, educação, moradia, vida digna e acesso à democracia; contra a degradação do meio ambiente, a exploração da Amazônia, contra a reforma da previdência e outros desmandos do poder público; pela memória viva do Padre Gabriel Maire, assassinado brutalmente há 30 anos… Por esses e outros motivos, centenas de pessoas, grupos pastorais, movimentos sociais, estudantes do sistema público de educação e pessoas da sociedade civil, participaram da 25ª edição do Grito dos Excluídos, que teve como tema “Este sistema não vale: lutando por justiça, direitos  e liberdade”, realizado em Cariacica, na manhã do último sábado (7 de setembro).

A concentração ocorreu na Praça do bairro Porto de Santana, onde foram realizadas algumas atividades, cânticos e protestos em prol de uma sociedade melhor para todos. Cerca de mil pessoas estiveram presentes, entre padres da Arquidiocese, religiosos, seminaristas, etc. Nos momentos iniciais, a emoção tomou conta de todos, quando foi contada um pouco da história do Padre Gabriel, assassinado em 23 de dezembro de 1989, vítima de poderosos que estavam se sentindo incomodados pela atuação forte do sacerdote francês, que não se calou diante das injustiças e do poder opressor. Calaram a voz de um profeta, mas o sonho dele permanece vivo nos corações.

A caminhada teve início às 9h15, quando os participantes foram rumo ao bairro Flexal. Esta foi a primeira vez que o evento foi realizado no município de Cariacica, e o motivo é exatamente por ter sido uma região onde Padre Gabriel atuou defendendo a justiça, a igualdade, a paz e o direito de liberdade de todos.

Durante o trajeto aconteceram 4 paradas e em cada uma houve a leitura de textos e poesias sobre os assuntos abordados por quatro alas: Ala dos Direitos Sociais que abordou a destruição e a não existência das políticas públicas, os cortes na saúde e educação e o alto número do desemprego no país; a Ala dos Direitos Humanos e Segurança Pública que abordou a violência no Brasil e a presença da Força Nacional  em Cariacica; a Ala da Questão Ambiental que lembrou as tragédias de Mariana e Brumadinho e os incêndios que vem destruindo a Floresta Amazônica e a Ala da Defesa da Democracia que lembrou que os direitos e conquistas adquiridos pelo povo brasileiros têm sido ameaçados diante do discurso de ódio que tem crescido no país.

Durante a passagem da caminhada, muitos gestos de apoio dos moradores dos bairros aconteceram. Muitos abraços, acenos e sinais de positivo foram recebidos por quem participava do evento, carregando faixas e cartazes com frases e palavras que lembravam os direitos dos cidadãos e as injustiças cometidas contra a população. Muitos se emocionaram com a leitura dos textos e declamação dos poemas, principalmente com a declamação de uma poesia que falava sobre o racismo em nossa sociedade.

No encerramento do Grito, um momento de oração foi proposto com a intenção que o evento tenha ajudado a todos a cultivar a fé, a esperança e a vontade de combater as injustiças. No final todos foram convidados a rezar a Oração de São Francisco de Assis.

Esperamos que nosso grito seja ouvido!

Assista a reportagem abaixo

Posts Relacionados

Facebook

Instagram

Últimos Posts

X