Frei Paulo César às famílias enlutadas: “a morte não é o fim”

Compartilhe:

Paz e Bem!

O Convento da Penha realizou no último sábado (30/05), a terceira Celebração do Abraço e da Esperança, uma proposta da Província Franciscana da Imaculada Conceição do Brasil, da qual o Convento faz parte, com o objetivo de trazer esperança, conforto, palavras solidariedade e alento às famílias enlutadas que perderam seus entes queridos e não tiveram sequer a oportunidade de velar, de realizar cerimônias de despedidas.

Nestes tempos de pandemia, ainda que nossos amigos faleçam por outras doenças, os velórios estão restritos, rápidos… Alguns são sepultados sem a última despedida ou cremados sem podermos reunir os familiares para a despedida. Compassivos com a dor do que sofre, o Convento se junta aos familiares com compaixão e ternura, rogando à materna proteção de Deus por aqueles que nos antecederam na glória dos céus.

Comovidos com tais situações, os franciscanos oferecem diariamente a possibilidade de oração pelos falecidos, como uma celebração de Exéquias. Para cada celebração é gerado um link do Youtube, no canal da TV Franciscanos e as famílias podem enviar as fotos com as intenções dos falecidos. Além de parentes e amigos, a celebração é aberta a outros internautas que desejarem participar deste momento de fé e esperança. Nos comentários, os fiéis podem colocar os pedidos, que são levados ao Altar do Senhor.

A celebração deste dia 30 foi realizada no Campinho do Convento e conduzida pelo Frei Paulo César Ferreira. Acompanhada por famílias do Brasil inteiro, diversas pessoas apresentaram mais intenções que foram escritas nos comentários da transmissão. Muitos expressaram dor pela perda de seus entes queridos. No Espírito Santo, muitas famílias também acompanharam através do Facebook e Instagram do Convento. Esta semana foi bastante difícil para os capixabas, isto porque o número de mortos pela covid-19 desde o início da pandemia ultrapassou 560. Os infectados chegam a quase 14 mil.

Com tom sereno, calmo e passando paz, Frei Paulo César confortou as famílias enlutadas. Ele começou o momento orante, cantando. “Nós cremos na vida eterna, e na feliz ressurreição. Quando de volta à casa paterna, com o Pai os filhos se encontrarão”, em seguida, encorajou os participantes dizendo: “Celebração da solidariedade e da esperança… Estamos em comunhão com todos nossos irmãos e irmãs enlutados em espírito de oração e devoção pelos seus entes queridos que partiram para a casa do pai” e lembrou os nomes dos falecidos.

“Nós cremos que a morte corporal é a nossa passagem para a vida eterna. Jesus disse: ‘quem crê em mim, jamais morrerá. Quem come e bebe de mim, tem a vida eterna e eu ressuscitarei no último dia’ (João 6). Nós cremos, Senhor, por isso vos recomendamos estes nossos falecidos e vos suplicamos pelos méritos de Jesus Cristo, morto e Ressuscitado, que vos digneis receber no vosso Reino estes irmãos e irmãs que partiram desta vida”, rezou o Frei.

Frei Paulo César refletiu ainda sobre alguns trechos bíblicos que confortam os fiéis. “Os cristãos têm uma certeza consoladora. A morte não é o fim, a morte física é passagem, é libertação e você pode se perguntar ‘de onde vem essa certeza?’, da morte e ressurreição de Nosso Senhor Jesus Cristo. Os apóstolos se apresentavam como testemunhas do Ressuscitado (cf. Atos 1, 22). É neste momento doloroso da despedida que ouvimos com mais força ainda as palavras de Paulo: ‘consolai-vos uns aos outros, porque Cristo ressuscitou!’. Se cremos que Jesus deu a vida por nós e ressuscitou, cremos também que Deus levará com Jesus os que Nele morrerem. Consolemo-nos, portanto, com essa verdade. Transformemos nossa tristeza em esperança no nosso destino eterno na salvação prometida a nós em Deus Pai por seu Filho Jesus. Deus nos destinou a salvação em Jesus Cristo”, disse.

Após a exortação, o frade entoou a canção “Uma Folha Que Caiu” do Padre Zezinho, emocionando a todos pela letra e principalmente pela interpretação calma, suave, afável. “Depois dessa bela canção e da Palavra que ouvimos, como não encher nosso coração de alento, de confiança, de esperança… Apesar da saudade do ente querido que partiu. Todos vamos partir, não temos neste mundo morada fixa e permanente, somos peregrinos e viandantes, vamos vier assim, desafeiçoados, desapegados de tudo. A vida é dom de Deus, vamos restituir a ele tudo que somos, tudo que temos. É compreensível, humanamente falando, a dor no coração da ausência de um ente amado, querido, mas colocamos nossa confiança, nossa esperança no Senhor da vida”, pediu o Frei.

Antes de encerrar, Frei Paulo rezou a Ladainha do Santíssimo Nome de Jesus e a oração pelos falecidos pelo descanso eterno.

Por fim, em comunhão com as famílias, rezou a oração final e concedeu a Bênção. Se despediu cantando “com minha Mãe estarei, na santa glória um dia, ao lado de Maria, no céu triunfarei”.

Confira a Celebração completa abaixo.

Posts Relacionados

Facebook

Instagram

Últimos Posts

X