Frei Alessandro: O convite de Jesus é para olhar além dos defeitos do outro

Compartilhe:

Paz e Bem!

De volta às atividades no Convento, depois de alguns dias de férias, o Frei Alessandro Dias do Nascimento, presidiu a Missa das 9h, do último domingo (15/07), na Capela. Conhecido pela saudação inicial sempre animada e diferente, muitas vezes com tradução em Libras, ele acolheu a todos cantando um pequeno refrão. “Que alegria, você chegou. Seja bem-vindo, quem te acolhe é o coração! Bem-vindo seja, você chegou. Seja bem-vindo, quem te acolhe é o coração!”

A Capela do Convento ficou lotada. Muitos devotos de outros estados (candidatos de uma prova de concurso a tarde) subiram ao Convento para rezar. Muitos participaram da Missa no corredor principal e até nas escadas de acesso ao interior do Santuário.

Na homilia, Frei Alessandro começou explicando as Leituras que falavam do amor à Deus e amor ao próximo. “O livro do Deuteronômio (30,10-14) mostra para nós esse amor de Deus, essa Lei de Deus, o mandamento… O povo que foi libertado da escravidão do Egito. Não basta somente isso, é preciso permanecer na aliança com Deus, nessa aliança que Deus faz com o povo, é preciso ser fiel a essa aliança seguindo os mandamentos de Deus. Na Carta aos Colossenses (1,15-20), vamos a centralidade da pessoa de Jesus na nossa vida, na vida do cristão. Ele é o princípio de todas as coisas, todas as coisas foram criadas por Ele e para Ele. Havia na comunidade dos Colossenses, formada por muitos pagãos, eles se tornaram prosélitos, se converteram ao Judaísmo e depois se converteram ao Cristianismo, e traziam muita experiência pagã, aquele sincretismo, mistura de religiões… Isso causou uma certa confusão, Jesus seria mais uma possibilidade de você viver sua comunhão com Deus. Então, São Paulo esclarece, escreve essa carta para ser apresentada a comunidade, mostrando e esclarecendo lá que o centro da vida do cristão é a pessoa de Jesus, nele está a plenitude da graça de Deus. Deus se manifesta visivelmente na pessoa de Jesus!”, explicou Frei Alessandro

Sobre o Evangelho, o Frei disse que “a parábola do Bom Samaritano, um belo ensinamento de Jesus, é um texto muito profundo. O Mestre da Lei, alguém que conhece sobre a lei, testa Jesus, pergunta para Jesus o que é preciso fazer para ganhar a vida eterna. É a pergunta que nós também nos perguntamos… E qual é o meu próximo que eu deveria servir e deveria amar?”, e continuou explicando o Evangelho.

Frei Alessandro também usou os acontecimentos recentes de um jovem motociclista entregador que foi entregar uma encomenda a um grupo de advogados em São Paulo e acabou falecendo. “Nessa entrega ele passou mal. O entregador dessas empresas de aplicativo, que não teve assistência nenhuma”. E também, outro ocorrido de um entregador que passou mal, teve convulsões e não foi socorrido porque “ia sujar o carro da pessoa que poderia ter socorrido”. Ele usou esses exemplos para expressar que “esses serviços de aplicativo não dá segurança nenhuma, não tem CLT, leis trabalhistas que protejam a pessoa, não tem assistência nenhuma… A empresa está preocupada com o lucro, mostra que a gente julga demais as pessoas, ‘ah esse aqui não é o meu próximo’, quem é o meu próximo? Jesus nos faz um convite, a gente se fazer próximo do outro, a uma certa distância a gente não conhece a pessoa e ficamos naquele preconceito. Mas quando você faz um esforço de se aproximar, conhecer melhor a pessoa, você vai ver que para além dos defeitos da pessoa, têm virtudes também. É um filho de Deus como nós também. Todos nós vamos passar pela morte e ressurreição também”, explicou.

Posts Relacionados

Facebook

Instagram

Últimos Posts

São Boaventura: uma voz ainda atual

Por ocasião do 750º aniversário da morte de São Boaventura , que celebraremos no dia 15 de julho de 2024, foi publicada a Carta dos Ministros Gerais

X