Rosário Franciscano | Famílias meditam as Alegrias de Nossa Senhora

Compartilhe:

Paz e Bem!

Em mais uma semana, nos reunimos com famílias espalhadas em várias partes do Brasil e até de outros países. Certamente muitas pessoas se acostumaram a reunir a família ao redor da mesa ou na sala de estar, para o louvor e a prece das famílias à Nossa Senhora das Alegrias, a Mãe da Penha. Na recitação das Ave Marias, cultivamos mais que devoção, expressamos nosso profundo amor à Maria Santíssima, com o vigor que fortaleceu seu Imaculado Coração.

O costume franciscano destaca sete momentos em que o coração de Nossa Senhora se enche da mais pura alegria, esses momentos são as Sete Alegrias de Maria. Na história, em 1442, no tempo de São Bernardino de Siena, se difundiu a notícia de uma aparição da Virgem a um noviço franciscano. Este, desde pequeno, tinha o costume de oferecer à bem-aventurada Virgem uma coroa de rosas. Quando ingressou entre os Irmãos Menores, sua maior dor foi a de não poder seguir oferecendo à Santíssima Virgem esta oferenda de flores. Sua angústia chegou a tal ponto que decidiu abandonar a Ordem Seráfica. A Virgem apareceu para consolá-lo e lhe indicou outra oferenda diária que lhe seria mais agradável. Sugeriu-lhe recitar a cada dia sete dezenas de Ave Marias intercaladas com a meditação de sete mistérios gozosos que ela viveu em sua existência. Desta maneira teve origem a Coroa Franciscana, Rosário das Sete Alegrias.

Na oração da última terça-feira (25), conduzida pelo Frei Paulo César Ferreira, com participação do músico Jaime Soares, os fiéis iniciaram cantando “és estrela do mar que nos guia, a mais bela de todas criaturas, és o hino que todos cantamos: glória a Deus, glória a Deus nas alturas”, canção do CD da Penha. O Frei recordou o aniversário do estado de São Paulo, na Festa da Conversão de São Paulo, cujo dia também foi ontem.

Diversos fiéis de várias partes do Brasil participaram, especialmente devotos que enviaram as intenções pelos comentários das redes sociais. José Souza, da Noruega; Marcos Vinícius Carvalho, de Cabo Frio, Rio de Janeiro; Suzel Cavalcanti, de Maceió, Alagoas; Felipe Rodrigues, de Marilândia-ES; Ornela Gozzer, de Vitória da Conquista, Bahia; Nadir Morelato, de João Neiva-ES; Áurea Soares, Linhares-ES; Lúcia Helena Passabom, Paragominas-MG; Patrícia Bastos, Vila Velha; Fernanda Laporte, João Neiva-ES; Zélia Cogo, Cariacica; Érica Passos, Vila Velha; Maria Quirino, de São Paulo, SP; Francisca Chagas, de Novo Gama, Goiás; Roberto Peccini, de Cachoeiro de Itapemirim-ES; Ana Maria Guzzo Nossa, João Neiva-ES; Lia, de São Paulo; Rosa Serri, Aracruz-ES; Jovelina Maria Souza, Barra de São Francisco-ES; Lúcia Maria, do Rio de Janeiro, RJ.

Posts Relacionados

Facebook

Instagram

Últimos Posts

São Boaventura: uma voz ainda atual

Por ocasião do 750º aniversário da morte de São Boaventura , que celebraremos no dia 15 de julho de 2024, foi publicada a Carta dos Ministros Gerais

X