Paz e Pão | “Dai-lhes vós mesmos de comer”, um apelo contra a fome

Compartilhe:

Paz e Pão!

A Campanha Contra Fome e pela Inclusão Social – Paz e Pão, da Arquidiocese de Vitória, foi inspirada nos apelos do Papa Francisco e pelos dados alarmantes do crescimento da Fome no ES e Brasil. Alcança, parte das famílias cadastradas pelas paroquias e comunidades, atendendo prioritariamente aquelas em situação de extrema pobreza. É coordenada pelo Vicariato para a Ação Social, Política e Ecumênica, envolve as seis áreas pastorais, estando mais presente em Benevente, Cariacica/Viana, Serra/Fundão, Vitória e Vila Velha.

A campanha Permanente Contra a Fome e Pela Inclusão Social – Paz e Pão organiza sua atuação em três eixos:

  1. Enfrentamento à Fome, assistindo famílias mensalmente com cestas básicas.
  2. Incidência Política, estimulando os cristãos e os beneficiários a participar nos territórios consolidando redes e parcerias para que políticas públicas sejam reivindicadas e garantidas com a participação efetiva dos que dela necessitam.
  3. Formação e Espiritualidade que visam alargar consciências, oportunizando acesso a conteúdo em torno dos temas estruturantes da Campanha (fome, pobreza, desigualdade social, economia, democracia, participação cidadã e outros), vivências de mística/espiritualidade e troca de experiências inter–paroquiais.

O aumento da pobreza, já percebido antes mesmo da pandemia, quando o Brasil voltou para o mapa da fome, estimulou o Vicariato a discutir a situação da fome com representantes das comunidades, que já vinham praticando ações de solidariedade e foi assim, que nasceu o Projeto da Campanha Permanente Contra a Fome e pela Inclusão Social, no ano de 2019. Em 2021, a Campanha foi lançada oficialmente durante a Festa da Penha, com a criação da rede de doadores permanentes, lançamento do site e da marca Paz e Pão.

A campanha tem uma coordenação permanente que se reúne mensalmente. É formada por membros das áreas pastorais, por representantes dos três eixos da campanha e por pessoas que representam espaços importantes relacionados à segurança alimentar. O acompanhamento das contribuições e compra das cestas básicas é feito por um comitê gestor constituído de 5 membros, que fazem parte da coordenação geral da Campanha Paz e Pão.

Entre os desafios estão:

  • continuar estimulando a sociedade em geral a ser doadora permanente.
  • dialogar junto aos órgãos governamentais sobre a necessidade das cozinhas solidárias e restaurantes populares.
  • Motivar e envolver pessoas que se disponham a ajudar.

Não importa quais as razões externas, o cristão é sempre chamado a dividir, apenas porque é cristão. Muitas pessoas estão passando fome e muitas outras necessidades urgentes, por conta da difícil situação econômica, agora piorada por causa do Covid-19 e da falta de políticas públicas em favor dos que mais precisam. Por isso, sempre é hora de ser solidário e partilhar o que temos.

Clique no banner abaixo e faça agora sua doação única ou cadastre-se para doar mensalmente.

Os Franciscanos do Convento da Penha se unem às pessoas, que motivadas pelo exemplo de Santo Antônio, cultivam o cuidado com os pobres. Na Arquidiocese, todas as paróquias estão apoiando e se esforçando para a campanha que busca congregar doações em prol dos necessitados. A caridade é um gesto belíssimo.

O Vigário para Ação Social Arquidiocesano e Pároco da Paróquia Santa Teresa de Calcutá de Vitória, Padre Kelder Brandão, explica que é tarefa do poder público, em suas mais diferentes esferas, garantir comida na mesa de todos, no entanto, é dever de todos os cristãos contribuir para erradicar os problemas sociais.

É importante lembrar que a campanha se faz pontual, com alguns eventos e ações que arrecadam mantimentos, no entanto, é permanente, ou seja, as doações podem ser durante um ano. No vídeo, o Padre explica como ser um colaborador mensal.

Campanha da Fraternidade

A Campanha da Fraternidade nasceu por iniciativa de Dom Eugênio de Araújo Sales, em Nísia Floresta, Arquidiocese de Natal, RN, como expressão da caridade e da solidariedade em favor da dignidade da pessoa humana, dos filhos e filhas de Deus.

Assumida pelas Igrejas Particulares da Igreja no Brasil, a Campanha da Fraternidade tornou-se expressão de comunhão, conversão e partilha. Comunhão na busca de construir uma verdadeira fraternidade; conversão na tentativa de deixar-se transformar pela vida fecundada pelo Evangelho; partilha como visibilização do Reino de Deus que recorda a ação da fé, o esforço do amor, a constância na esperança em Cristo Jesus (Cf. 1Ts 1,3).

A Campanha da Fraternidade tem hoje os seguintes objetivos permanentes:
1 – Despertar o espírito comunitário e cristão no povo de Deus, comprometendo, em particular, os cristãos na busca do bem comum;
2 – Educar para a vida em fraternidade, a partir da justiça e do amor, exigência central do Evangelho;
3 – Renovar a consciência da responsabilidade de todos pela ação da Igreja na evangelização, na promoção humana, em vista de uma sociedade justa e solidária (todos devem evangelizar e todos devem sustentar a ação evangelizadora e libertadora da Igreja)”.

A coleta da Campanha realizada como um dos gestos concretos de conversão quaresmal tem realizado um bem imenso no cuidado para com os pobres.

Ao percorrermos o itinerário da Campanha que nossos irmãos nos prepararam, possamos continuar seguindo Cristo, caminho, verdade e vida (Cf. Jo 14,6).

Neste ano, a Campanha tem como tema “Fraternidade e fome”, e o lema “Dai-lhes vós mesmos de comer” (Mt 14,16). Tem como objetivo principal, sensibilizar a sociedade e a Igreja para enfrentarem o flagelo da fome, sofrido por uma multidão de irmãos e irmãs, por meio de compromissos que transformem esta realidade a partir do Evangelho de Jesus Cristo.

Essa é a terceira vez em que a “fome” é o tema da Campanha da Fraternidade na Igreja do Brasil. A primeira foi em 1975, com o tema “Fraternidade é repartir” e o lema “Repartir o pão”, no clima do Ano Eucarístico que precedeu o Congresso Eucarístico Nacional de Manaus, onode trazia o mesmo tema e lema e desejava intensificar a vivência da Eucaristia em nosso povo. A segunda foi em 1985, outro Ano Eucarístico, desta vez em preparação para o Congresso Eucarístico de Aparecida, com o lema “Pão para quem tem fome”.

Nesse sentido, a CF 2023 busca colocar em prática alguns verbos importantes para o enfrentamento à fome. O primeiro é de compreender a realidade da fome, tentando revelar as causas estruturais, indicando as contradições de uma economia que mata pela fome. Depois, aprofundar as discussões evangélicas, acolhendo aquele que pensa diferente e juntos encontrando maneiras de estimular iniciativas que combatam a fome, como sendo um doador da Campanha Paz e Pão, por exemplo.

Clique aqui e saiba como ajudar a campanha!

Posts Relacionados

Facebook

Instagram

Últimos Posts

São Boaventura: uma voz ainda atual

Por ocasião do 750º aniversário da morte de São Boaventura , que celebraremos no dia 15 de julho de 2024, foi publicada a Carta dos Ministros Gerais

X