Papa Francisco: a consolação de Deus nos dá paz, é espontânea

Compartilhe:

Paz e Bem.

“O que é a consolação espiritual? É uma profunda experiência de alegria interior, que permite ver a presença de Deus em tudo; ela revigora a fé e a esperança, assim como a capacidade de fazer o bem. Trata-se de um grande dom para a vida espiritual e para a vida no seu conjunto. É viver esta alegria interior”, disse Francisco na catequese da Audiência Geral.

 

“A consolação” foi o tema da catequese do Papa Francisco na Audiência Geral, desta quarta-feira (23/11), realizada na Praça São Pedro.

Francisco sublinhou que a consolação, “que seria a luz da alma”, é “outro elemento importante para o discernimento”, mas “pode prestar-se a equívocos”.

“O que é a consolação espiritual? É uma profunda experiência de alegria interior, que permite ver a presença de Deus em tudo; ela revigora a fé e a esperança, assim como a capacidade de fazer o bem. Trata-se de um grande dom para a vida espiritual e para a vida no seu conjunto. É viver esta alegria interior”, disse o Papa, ressaltando que “a consolação é um movimento íntimo. A pessoa se sente abraçada pela presença de Deus, de uma maneira sempre respeitosa da própria liberdade”.

A paz genuína faz germinar bons sentimentos em nós

“Pensemos na experiência de Santo Agostinho, quando fala com a mãe Mônica sobre a beleza da vida eterna; ou na perfeita alegria de São Francisco, pensemos em tantos santos e santas que souberam fazer maravilhas, não porque se julgavam hábeis e capazes, mas porque foram conquistados pela docilidade pacificadora do amor de Deus”, sublinhou Francisco, afirmando que “se trata da paz, que Santo Inácio sentia em si com admiração quando lia a vida dos santos. Ser consolado é estar em paz com Deus. Sentir que tudo está organizado, em paz, tudo é harmônico dentro de nós”. “Trata-se da paz que Edith Stein experimenta após a conversão; um ano depois de ter recebido o Batismo”, disse ainda o Papa, sublinhando que “uma paz genuína é uma paz que faz germinar bons sentimentos em nós”.

Segundo o Pontífice, “a consolação refere-se, primeiramente, à esperança, propende para o futuro, põe a caminho, permite tomar iniciativas até àquele momento adiadas, ou nem sequer imaginadas, como o Batismo para Edith Stein”.

A consolação é uma paz tal, não para ficar sentados saboreando-a, mas dá paz, atrai ao Senhor, põe você a caminho para fazer coisas boas. Em tempos de consolação, quando somos consolados, nos vem a vontade de fazer o bem sempre, e quando há o momento da desolação nos vem a vontade de nos fechar em nós mesmos e não fazer nada. A consolação nos leva para frente, a serviço dos outros, da sociedade, das pessoas.

A consolação nos torna audazes

De acordo com Francisco, “a consolação espiritual não é “pilotável”, não é programável a bel-prazer, é uma dádiva do Espírito Santo: permite uma familiaridade com Deus, que parece anular as distâncias. Santa Teresa do Menino Jesus, visitando com 14 anos a Basílica de Santa Cruz de Jerusalém, em Roma, procura tocar o prego ali venerado, um daqueles com que Jesus foi crucificado. Teresa sente esta sua ousadia como um transporte de amor e de confidência”. A consolação “é espontânea. A consolação nos leva a fazer tudo espontâneo, como se fossemos crianças. As crianças são espontâneas e a consolação leva com uma doçura com uma paz muito grande”.

Segundo o Papa, “a consolação nos torna audazes” e vamos adiante porque sentimos “a força de Deus”. A consolação “nos leva a fazer coisas que no tempo da desolação não seríamos capazes de dar o primeiro passo. Este é o belo da consolação”.

Falsas consolações

Francisco advertiu que “há também falsas consolações. Na vida espiritual ocorre algo semelhante ao que acontece nas produções humanas: há originais e há imitações”.

Se a consolação autêntica for como uma gota sobre uma esponja, será suave e íntima; as suas imitações serão mais barulhentas e vistosas, serão fogos de palha, sem consistência, levarão a fechar-se em si mesmas, e a não se preocupar com os outros. No final, a falsa consolação deixa-nos vazios, distantes do centro da nossa existência. Por isso, quando estamos felizes, em paz, somos capazes de fazer qualquer coisa, mas não confundir aquela paz com um momento passageiro porque o entusiasmo hoje existe e depois passa, e não existe mais.

Saber distinguir quando é uma consolação de Deus

O Papa disse que “por isso, é necessário fazer discernimento, até quando nos sentimos consolados. Pois a falsa consolação pode tornar-se um perigo, se a procurarmos como um fim em si mesma, de modo obsessivo, e nos esquecendo do Senhor. Como diria São Bernardo, procuram-se as consolações de Deus, não se procura o Deus das consolações. Devemos procurar o Senhor que com a sua presença nos consola e nos leva adiante. É a dinâmica da criança de que falamos da última vez, que só procura os pais para obter algo deles, mas não por eles mesmos. Por interesse. As crianças sabem fazer isso, e quando a família é dividida, elas têm o hábito de procurar aqui e lá, e isso não faz bem, isso não é consolação, mas interesse”.

Segundo o Pontífice, “corremos o risco de viver a relação com Deus de maneira infantil, de o reduzir a um objeto para o nosso uso e consumo, perdendo o dom mais belo, que é Ele mesmo”. “Assim, vamos adiante na vida entre a consolação de Deus e a desolação do pecado, do mundo, mas sabendo distinguir quando é uma consolação de Deus que lhe dá paz até o fundo da alma, e um entusiasmo passageiro, que não é ruim, mas não é a consolação de Deus”, concluiu o Papa.


Oração pela paz e pelo fim de todos os conflitos, em particular pela martirizada Ucrânia. Ao final da Audiência Geral desta quarta-feira, o Santo Padre voltou a falar do sofrimentos dos ucranianos, que “sofrem o martírio da agressão”, recordando o aniversário do “terrível genocídio do Holodomor”, provocado por Stalin:

Rezemos pela paz no mundo e pelo fim de todos os conflitos, com um pensamento especial pelo terrível sofrimento do querido e martirizado povo ucraniano. E pensemos na martirizada Ucrânia. Este sábado marca o aniversário do terrível genocídio do Holodomor, o extermínio pela fome em 1932-33 causado artificialmente por Stalin. Rezemos pelas vítimas deste genocídio e rezemos por tantos ucranianos, crianças, mulheres e idosos, crianças, que hoje sofrem o martírio da agressão.

O Holodomor

Holodomor é o nome dado à fome que foi provocada no território da Ucrânia de 1932 a 1933 pela antiga URSS (União das Repúblicas Soviéticas Socialistas), causando vários milhões de mortes.

O termo deriva da expressão ucraniana moryty holodom (Морити голодом), combinando as palavras ucranianas holod (fome, carestia) e moryty, (matar de fome, esgotar), e a combinação das duas palavras visa destacar a intenção de provocar a morte pela fome.

Em março de 2008, o Parlamento da Ucrânia e dezenove nações independentes reconheceram as ações do governo soviético na Ucrânia do início dos anos 1930 como atos de genocídio. Uma declaração conjunta da ONU de 2003 definiu essa carestia como resultado de políticas e ações “cruéis” que resultaram na morte de milhões. Em 23 de outubro de 2008, o Parlamento Europeu aprovou uma resolução na qual reconheceu o Holodomor como um crime contra a humanidade.

Na Ucrânia, após o reconhecimento do Holodomor, decidiu-se comemorá-lo oficialmente todos os anos no quarto sábado de novembro e em 2008 foi aberto o Museu Nacional do Genocídio do Holodomor.

Ataques contra centrais elétricas ucranianas

A partir de 24 de fevereiro de 2022, os russos passaram a bombardear incessantemente cidades e povoados ucranianos. Nas últimas semanas, em particular,  as centrais elétricas tornaram-se alvos preferenciais. A falta de eletricidade incorre também na falta de calefação, o que pode se tornar mortal para a população diante do frio intenso. Na última semana foram registradas as primeiras nevascas no país do leste europeu. A lenha voltou a ser essencial não somente para cozinhar, mas também para aquecer a população, principalmente nos pequenos centros habitados.

Para fazer frente a essa emergência de contínuos blecautes, foram criados na Ucrânia mais de 4.000 “Pontos de Invencibilidade”. Em sua habitual mensagem, pelo presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky comunicou na noite de terça-feira, 22, que nestes locais são oferecidos gratuitamente, ao longo de todo o dia, todos os serviços básicos: eletricidade, telefone celular e Internet, aquecimento, água, kit de primeiros socorros. Tudo absolutamente gratuito e durante todo o dia. Tais pontos funcionarão em todas as administrações regionais e distritais, bem como em escolas, prédios de serviços de emergência do estado e similares. Em prédios do governo, farmácias, lojas, correios, deve haver informações sobre onde uma pessoa pode encontrar suporte em caso de queda de energia prolongada.

Já o Parlamento Europeu lança “Geradores de Esperança”, uma campanha para a compra de geradores de eletricidade a serem enviados à Ucrânia para enfrentar a crise energética devido aos ataques sistemáticos da artilharia russa às infraestruturas energéticas ucranianas. A campanha foi apresentada numa coletiva de imprensa em Estrasburgo nesta quarta-feira pela presidente do Parlamento Europeu, Roberta Metsola, pelo presidente da Eurocities e presidente da Câmara Municipal de Florença, Dario Nardella, co-iniciador da campanha, e por Andriy Yermak , chefe de gabinete do presidente Volodymyr Zelensky.


Fonte: Vatican News – Vatican Media | Mariangela Jaguraba | Jackson Erpen

Posts Relacionados

Facebook

Instagram

Últimos Posts

São Boaventura: uma voz ainda atual

Por ocasião do 750º aniversário da morte de São Boaventura , que celebraremos no dia 15 de julho de 2024, foi publicada a Carta dos Ministros Gerais

X