Os Passos de Anchieta | Convento da Penha é o primeiro destino dos devotos

Compartilhe:

Paz e Bem!

“Os Passos de Anchieta” é o nome do roteiro que reconstitui a trilha habitualmente percorrida pelo então Padre José de Anchieta nos seus deslocamentos da Vila de Rerigtiba (atual cidade de Anchieta-ES) à então Vila de Nossa Senhora da Vitória (Vitória-ES), onde cuidava do Colégio de São Tiago, em caminhadas quinzenais que ele empreendia nos últimos anos de sua vida, quando preferiu recolher-se à região costeira do Espírito Santo que tanto lhe evocava a sua San Cristoban de Laguna, em Tenerife, nas Ilhas Canárias, onde nasceu.

A força da personalidade que seguramente foi um dos maiores nomes do Brasil no primeiro século deste país e o interesse em conhecer um de seus cenários prediletos tem atraído um público especial de várias partes do país, nos últimos anos. Seguramente a rota dos Passos de Anchieta é uma das primeiras das Américas e a primeira do Brasil. Em sua extensão original poderia ser considerada das maiores do mundo visto que se estenderia de São Paulo de Piratininga ao Recife, terreno percorrido pelos eméritos andarilhos que eram os soldados da Companhia de Jesus.

Ao longo dessa extensa faixa litorânea que alcança grande parte da costa brasileira, semearam ensino, divulgaram o que julgavam ser os fundamentos de uma civilização e fundaram vilas que evoluíram de toscos aldeamentos como Rerigtiba, Guarapari, Nossa Senhora da Conceição da Serra, Reis Magos e São Mateus, para citarmos especificamente a costa do Espírito Santo.

De toda essa extensão, o roteiro dos Passos de Anchieta resgata o trecho de 100 quilômetros compreendidos entre Anchieta e Vitória que José de Anchieta percorria regularmente duas vezes por mês, o denominado “Caminho das 14 Léguas”, que o jesuíta vencia. A reconstituição do trajeto dentro de considerável exatidão histórica, valeu-se do conhecimento de que os jesuítas se notabilizavam como andarilhos que cobriam longas distâncias pelas praias, valendo-se principalmente das marés vazantes, quando a areia solada oferecia menor dificuldade para caminhar.

Neste ano de 2022, o evento volta depois de dois anos sem por conta da pandemia. De acordo com a organização, já estão inscritos mais de 500 devotos. A experiência da caminhada combina encantos como o conhecimento de sítios históricos, com paisagens que se oferecem ao andarilho numa seqüência de belos quadros da natureza de uma região que é um marco geográfico da costa brasileira, onde as culturas do norte e do sul do país se encontram.

O roteiro da caminhada é organizado pela ABAPA (Associação Brasileira dos Amigos dos Passos de Anchieta) e é cumprido em jornadas diárias médias de 4 a 5 horas pelas pessoas que tem o hábito de caminhar regularmente ou por períodos de seis a 7 horas pelos andarilhos mais sedentários que sem o exercício regular se dispõe a fazê-lo.

Ela é realizada sempre a partir do feriado de Corpus Christi, beneficiando-se do “feriado nacional” que favorece a disponibilidade das pessoas visto que o percurso total demanda quatro dias. Nada impede que as pessoas se disponham a fazê-lo em outra época do ano e num ritmo de caminhada que estiver mais disposto. O primeiro destino dos caminhantes é o Convento da Penha.

Durante a caminhada coletiva oficial, o percurso é realizado em quatro dias, divididos nos seguintes trechos:

1º dia: entre Vitória, passando pelo Convento da Penha e seguindo para a Barra do Jucu, em Vila Velha, onde são percorridos em média 25 km.
2º dia: entre Barra do Jucu até Setiba, em Guarapari, perfaz 28 km.
3º dia: entre Setiba e Meaípe, são percorridos 24 km ainda em Guarapari.
4º dia: entre Meaípe até Anchieta, na Igreja Matriz do município finalmente os 23 km finais abrangem.

Durante a passagem pelo Convento da Penha, muitos turistas aproveitam para conhecer o Santuário, registrar a vista, rezar, pedir forças à Virgem da Penha e alguns até participam da Missa.

Faça sua inscrição clicando aqui

Fonte: portal https://ospassosdeanchieta.com/

Posts Relacionados

Facebook

Instagram

Últimos Posts

São Boaventura: uma voz ainda atual

Por ocasião do 750º aniversário da morte de São Boaventura , que celebraremos no dia 15 de julho de 2024, foi publicada a Carta dos Ministros Gerais

X