O encontro de Frei Galvão e Nossa Senhora das Alegrias na festa das mulheres

Compartilhe:

Vila Velha (ES) – A Prainha, um parque no pé do Morro da Penha onde acontecem as grandes celebrações da Festa da Penha, voltou a ficar lotado neste domingo, 16 de abril, com a Romaria das Mulheres. Juntando devoção, fé, alegria e beleza na véspera do dia da Padroeira do Espírito Santo, as mulheres fizeram uma belíssima homenagem à Virgem da Penha. Mas outro encontro marcou o dia festivo: o encontro da imagem de Frei Galvão, o primeiro santo brasileiro e devoto de Maria, com a Virgem das Alegrias, uma devoção franciscana que Frei Pedro Palácios trouxe ao Espírito Santo há mais de quatro séculos.

Com lenços e rosas (foi pedido que não se usasse balões para ajudar o meio ambiente), as mulheres se concentraram em frente ao Santuário do Divino Espírito Santo, outra casa franciscana em Vila Velha, e caminharam por cerca de uma hora até o Parque da Prainha, onde aconteceu o último dia do Oitavário, o momento devocional franciscano, e a Santa Missa.

O Vigário Provincial, Frei Gustavo Medella, conduziu o último dia do Oitavário da Festa da Penha, quando a imagem chegou na Prainha por volta das 16h35. A imagem, que caminhou no “Penhamóvel”, foi recebida pelos frades e carregada por um grupo de mulheres até o altar.

O tema deste dia do Oitavário foi “Chamados ao Serviço”, concluindo o tema central “Com Maria, chamados a servir”. Mas antes de sua reflexão, Frei Medella informou  sobre o encontro franciscano, que foi feito pelo Reitor do Santuário Frei Galvão, Frei Diego Melo, e  que veio com um grupo de romeiros para esse grande momento. O guardião do Convento da Penha os acolheu, recebendo a imagem do seu confrade santo e entregou a Frei Diego a imagem de Nossa Senhora da Penha. “No Santuário de Guaratinguetá, sempre é lembrado a importância do amor e a devoção à Mãe de Deus. As pílulas de Frei Galvão contêm uma oração à Mãe de Deus. Por isso, falar desse franciscano é falar também da Mãe de Deus e Nossa Senhora. Muito obrigado por esta acolhida, obrigado por esta imagem de Nossa Senhora da Penha, Mãe das Alegrias, esta devoção franciscana que nós queremos propagar lá no Santuário Frei Galvão. E deixo o nosso convite: quando forem a Aparecida, outro Santuário Mariano, ao lado de Aparecida está o Santuário Frei Galvão. Lá, além de se encontrar com o primeiro santo brasileiro, vão se encontrar com a Nossa Mãe, Nossa Senhora da Penha, que teremos muito carinho em tê-la conosco”, disse Frei Diego.

Frei Djalmo respondeu: “Nós queremos acolher vocês com muita alegria. Nós conversamos há um ano para que esse encontro pudesse acontecer. De Santuário para Santuário, de coração para coração, assim é o coração de Frei Galvão, assim é o coração de Nossa Senhora da Penha. Assumimos esse compromisso, de no dia 25 de outubro, Festa de Frei Galvão, ter uma representação do Santuário da Penha para visitar Frei Galvão. A eles uma salva de palmas bem forte”, festejou.

Frei Medella abriu sua reflexão agradecendo a todos os setores que fazem a Festa da Penha acontecer. Segundo ele, o serviço é um dom, um presente de Deus. O serviço dá à nossa vida o sentido de utilidade. “Não há existência no mundo que não tenha a sua utilidade. Por isso, servir é uma graça e eleva a nossa autoestima, que preenche a nossa vida, que nos coloca no mundo e que nos lança em relação com o outro. O serviço é uma graça, uma graça a ser aprendida e amada desde o berço, por isso, pai e mãe, desde pequenininho, ensine o seu filho a ter uma postura de serviço. Dentro da idade dele, da possibilidade dele, é bom ajudar o papai, a mamãe. É bom inseri-lo desde cedo em tarefas que estão ao alcance dele. Faça a criança se sentir útil e participante do processo”, ensinou o frade.

(toque nas imagens para ampliá-las)

Para Frei Medella, aqueles que já estão idosos, por mais limites que tenham, também necessitam de incentivos para continuar fazendo o que lhe é possível. “Se não pode mais bordar, vai desenhar; se não consegue desenhar, compra um livro e vai colorir e pintar. Ocupe a cabeça. Sinta-se útil. A sua vida nunca é inútil. Nunca é inútil. Por isso servir é uma arte, é um serviço, é uma graça, que todos temos o direito de exercer”, ressaltou o Vigário Provincial.

“O serviço traz também a dimensão da caridade. É uma maneira prática de amar. Tem filho, na adolescência, que diz: ‘eu amo minha mãe’, mas acabou o almoço do domingo, a pia de louças está até em cima; o marido também diz ‘eu amo a minha mulher’, os dois amam, mas é ela que lava a louça sozinha. O amor não é só palavra, é testemunho. É colocar junto a mão na massa”, disse sendo ovacionado pelas mulheres da Prainha.

“Quem descobre a graça de servir, nunca mais a quer deixar. Dá trabalho, mas vale a pena. Vemos aí voluntários na Festa da Penha, gente com 70 ou 80 anos, suportando o peso das exigências, das subidas e descidas, com um sorriso no rosto. E o coração em paz. Trabalham tanto, fisicamente se cansam, mas têm o coração cheio. Servir é uma graça e uma bênção. Deus seja louvado por todos que descobriram a alegria de servir e coloque aqueles que ainda não descobriram no caminho de se encontrarem como servidores de um mundo melhor. Servir é amar”, finalizou o frade.

O CAMINHO DOS CRISTÃOS

Cerca de 70 mil pessoas participaram da Eucaristia, embora nem todo mundo tenha preferido caminhar com o sol forte da tarde, garantindo o seu lugar mais próximo do grande altar montado para estas grandes celebrações.

A Santa Missa, às 16h30, foi presidida pelo bispo auxiliar da Arquidiocese de Vitória, Dom Andherson Franklin Lustoza de Souza, e teve como concelebrantes seminaristas, diáconos, sacerdotes da Arquidiocese, os frades do Convento da Penha e do Santuário do Divino Espírito Santo e da Província da Imaculada.

Dom Andherson trouxe uma saudação do Arcebispo, Dom Dario Campos, que “com certeza se alegra conosco aqui aos pés da Virgem Maria”. Saudou o guardião Frei Djalmo Fuck,  os frades, os presbíteros, religiosos (as), seminaristas e o prefeito de Vila Velha, Arnaldo Borgo Filho.

O bispo recordou que ontem, no meio daquela chuva que caiu durante a Romaria dos Homens, viu muitas famílias com filhos pequenos e até de colo caminhando. “E um pai me chamou a atenção porque os filhos perguntavam porque estavam andando a pé onde sempre andam de carro. O pai disse: ‘Nós estamos seguindo a Virgem, nós vamos para a igreja. Meu pai me trouxe e hoje eu estou levando meu filho'”.

“Irmãos, este tesouro da fé é comunitário. Nós oferecemos e devemos fazê-lo com dedicação, com empenho, com os corações ardendo de amor por Deus, por sua mãe, por sua Palavra, por sua vocação como cristão”, sublinhou.

“A minha palavra é de gratidão por todos vocês, mães, pais, jovens, adolescentes que oferecem este testemunho: educam na fé, conservam a graça e passam para os outros filhos e filhas este tesouro que nada pode corroer, nem mesmo o fogo da provação, porque é a fé que nos mantém vivos. Por isso, hoje nos reunimos ao redor da Palavra de Deus, que nos aponta para a Mesa da Eucaristia. Jesus disse aos seus discípulos: a paz esteja convosco! É Ele que se apresenta a nós cada vez que nós nos reunimos em nossas comunidades eclesiais de base, cada vez que nos reunimos para apresentar a palavra, sobretudo da Eucaristia. E a saudação inicial é o Cristo que faz. É Ele que comunica a paz, como fez hoje no Evangelho para inflamar nossos corações, para renovar a nossa vida”, disse.

Segundo o bispo, este caminho de acolher o Senhor, de testemunhar a fé e servir com caridade é o caminho da Igreja, é o caminho dos cristãos. “É a Virgem que nos ensina este caminho. É ela que nos ensina a romaria da vida. É ela que nos toma como filhos e filhas pelas mãos e nos diz: caminhemos! Caminhemos para acolher o Cristo, acolhendo meu Filho, testemunhando a fé, e servindo com caridade. Neste domingo da Misericórdia, peçamos à Virgem das Misericórdias que ela nos ensine, nos eduque, nos faça discípulos missionários de seu filho, acolhendo-O, testemunhando pela fé e servindo uns aos outros na caridade”, completou.

A Festa da Penha termina neste dia 17 de abril, Dia da Padroeira. As missas começam na primeira hora da madrugada, à meia-noite.

DIA DA PADROEIRA DO ESPÍRITO SANTO
– 0h, 1h, 2h, 3h, 4h, 5h, 6h, 9h e 12h – Missas na Capela do Convento
– 7h – Missa da CRB e do Seminário no Campinho do Convento – transmissão ao vivo (TVs, rádios e internet)
– 8h – Romaria dos Conguistas – saída do portão do Convento em direção ao Campinho
– 8h – Romaria dos Ciclistas de Vila Velha – saída em frente à Praça Sebastião Cibien, em Cobilândia, Vila Velha
– 10h – Missa das Pastorais Sociais – Vicariato para Ação Social, Política e Ecumênica da Arquidiocese de Vitória, no Campinho do Convento
– 14h – Programa Salve Mãe das Alegrias – Parque da Prainha – transmissão ao vivo (TVs, rádios e internet)
– 17h – Missa de Encerramento da Festa da Penha no Parque da Prainha
– 19h – Show de Encerramento da Festa da Penha: Padre Anderson Gomes convida Elba Ramalho

______________________________________________________________________

Frei Augusto Luiz Gabriel e Moacir Beggo

Posts Relacionados

Facebook

Instagram

Últimos Posts

São Boaventura: uma voz ainda atual

Por ocasião do 750º aniversário da morte de São Boaventura , que celebraremos no dia 15 de julho de 2024, foi publicada a Carta dos Ministros Gerais

X