Na Caminhada Penitencial Frei Bruno em Santa Catarina, o povo dá uma lição sinodal

Compartilhe:

Paz e Bem.

Depois de dois anos sem poder manifestar sua fé e devoção devido à pandemia, os fiéis devotos do Servo de Deus Frei Bruno voltaram às ruas de Joaçaba (SC), neste domingo (05/3), esbanjando alegria pelo reencontro e o momento único de rezar juntos durante a Caminhada Penitencial Frei Bruno, que acontece pela 33ª vez pedindo que o frade franciscano, que já é “santo” para o povo catarinense, seja declarado Venerável e beatificado.

A Igreja sinodal pensada e sonhada pelo Papa Francisco é uma Igreja que caminha com o Povo de Deus. Caminhar juntos, para os cristãos, mais que uma exigência evangélica, é uma maneira de compartilhar os nossos passos com o Deus. Nessa grande manifestação de fé, o povo se reuniu no Meio-Oeste Catarinense para caminhar em sintonia com o Papa e Frei Bruno.

O Sínodo da Igreja, com o tema “Para uma Igreja sinodal: comunhão, participação e missão”, foi convocado em 2021 e termina no ano que vem. Portanto, estamos vivendo este momento sinodal. Segundo o Vigário Provincial. Frei Gustavo Medella, na Igreja, na sua caminhada de mais de 2 mil anos, muitas ideias ou conceitos foram surgindo e são sempre retomados. “Agora, temos falado muito de sinodalidade. E vocês, sem saber, deram para nós uma aula do que significa esta tal sinodalidade. Pessoas de diferentes idades, proveniências, culturas, graus de instrução, profissões, uns caminhando rápido, uns em pleno desenvolvimento físico, outros quase que com dificuldades caminhando juntos. E todo mundo chega. Todo mundo caminha porque ninguém está sozinho. Temos uns aos outros e todos juntos indo a Deus”, disse Frei Medella, representando o Ministro Provincial, Frei Paulo Roberto Pereira.

Nesse clima sinodal e de gratidão depois de anos de medo pela pandemia, também os confrades de Frei Bruno na Província da Imaculada Conceição vieram em peso para prestar essa homenagem no 33º ano desta Caminhada. Além de Frei Medella, o Definidor Provincial e Vice-Postulatador, Frei Alex Ciarnoscki; o Definidor Proincial Frei Daniel Dellandrea; o mestre Frei Samuel Ferreira de Lima e os sete noviços, que vieram de Rodeio (SC); o vice-mestre da Fraternidade São Boaventura, Frei Roger Strapazzon, e os frades estudantes do tempo de Filosofia, que vieram de Campo Largo (PR).

Cerca de 15 mil pessoas fizeram um grande cortejo nos 3,5 quilômetros da Catedral Santa Terezinha até o Cemitério Frei Edgar e celebrarem este momento de Ação de Graças. Junto ao povo de Joaçaba, e da vizinha Luzerna, juntaram-se os peregrinos que vieram em caravanas do Sudoeste do Paraná (Chopinzinho e Pato Branco), do Oeste Catarinense (Coronel Freitas, Xaxim, Concórdia e Curitibanos), do Vale do Itajaí (Balneário Camboriú, Gaspar, Rodeio, Blumenau e Florianópolis) e de Curitiba e Campo Largo. Muitos grupos lotaram ônibus, vans e carros para participar da Caminhada, ainda que o tempo anunciasse chuva. E ela veio antes de iniciar a Caminhada, mas parou e o povo pôde seguir tranquilamente até o Cemitério Frei Edgar. Mas foi só chegar e dar início à Eucaristia e ela estava de volta com mais intensidade. Ficou até a comunhão, quando o sol voltou a dar o ar da graça.

No Cemitério, onde foi montado um altar próximo do túmulo de Frei Bruno, foi celebrada a Santa Missa, presidida por Dom Frei Mário Marquez, OFMCap, concelebrada por Frei Gustavo, Frei Alex, pelo pároco da Catedral, Pe. Joveci Filho, frades da Província, sacerdotes da Diocese, religiosos (as) e seminaristas.

Dom Mário disse na sua homilia que, em doze anos participando da Caminhada Penitencial como bispo em Joaçaba, pôde ver que o Servo de Deus Frei Bruno marcou gerações no passado com sua presença e marca gerações no tempo presente, especialmente no Estado de Santa Catarina, nos lugares que ele exerceu sua missão como sacerdote e frade franciscano. “E continua encantando a todos nós que, nesta Romaria, estamos presentes. Ele toca o coração das pessoas e eu chego a me emocionar também ao ouvir relatos de graças ligados à invocação do nosso querido Frei Bruno”, disse o bispo.

“No coração das pessoas, a gente já percebe que consideram ele como santo e, de fato, isso nós podemos constatar em cada Romaria que presenciamos e vivenciamos. A expressão de fé, manifestada em cada uma das Romaria Penitenciais, ao longo de 33 anos, demonstra a presença viva na vida de nossa gente. Quantos devotos simpatizam com nosso querido Frei Bruno! Como Abraão, ele deixou sua terra, a Alemanha, parar se instalar em terras brasileiras porque tinha uma vocação, ouviu um chamado, e se tornou um grande missionário”, disse.

Segundo o bispo, todo mundo tem algo a dizer de Frei Bruno. “Fui visitar uma pessoa de 96 anos em Herval d’Oeste (cidade vizinha a Joaçaba), e do quarto dela se avista o monumento de Frei Bruno. É com esta visão que ela faz suas orações diárias. Ela conheceu o Frei Bruno. Essas histórias nos impressionam. De todas as idades eu ouço falar de Frei Bruno, até crianças influenciadas pelos pais”, ressaltou o bispo.

“O povo, ao avistar o monumento de Frei Bruno no alto do morro, das janelas das casas ou dos hospitais, dos apartamentos, dos morros, das ruas, dos comércios, trazem à memória um homem santo, um homem que consagrou sua vida ao seguir os passos de São Francisco de Assis. Na simplicidade, ele nos cativa, e por isso estamos aqui”, observou D. Mário.

“Frei Bruno é um homem nascido no século passado, mas é um homem para os dias atuais com seu exemplo. Por isso, ele atrai multidões e por isso estamos aqui hoje. Frei Bruno mostrou para nós o caminho da conversão e santidade nesse tempo quaresmal. Como todos nós, buscamos armar nossa tenda com Jesus, buscamos seguir os passos de Jesus como fez Frei Bruno”, completou.

SINODALIDADE

Frei Gustavo resumiu sua fala em duas palavras. A primeira para expressar sua gratidão pela acolhida de D. Mário aos cerca de 50 frades presentes nesta manifestação da fé. “A segunda palavra, Dom Mário, eu quero dizer a cada um de vocês, romeiro, peregrino, caminhante com Frei Bruno. Você pode, às vezes, nem ter consciência, mas tenha certeza, cada um de vocês fez uma verdadeira pregação e deu uma aula para nós”, disse ao falar de sinodalidade. “Até a natureza participou da lição que hoje vocês deram, mostrando que sol e chuva caminham também juntos. O importante é que estamos caminhando, o importante é que temos para onde ir e sabemos onde queremos chegar. Junto com Frei Bruno, a nossa meta é o céu. O Reino de Deus entre nós e é juntos que nós caminhamos na direção deste Reino. Muito, muito obrigado. Vocês deram uma aula, uma pregação para nós do que significa sinodalidade e, com vocês, aprendemos a ser uma Igreja e uma Província Franciscana sinodal. Muito obrigado, parabéns a vocês”, enfatizou Frei Medella, que elencou todas as presenças dos frades neste Estado e no Paraná.

“Pelo testemunho de fé de vocês, temos mais vontade, entusiasmo e alegria de divulgar quem é Frei Bruno e a grandiosidade e o exemplo deste humilde servo de Deus”, acrescentou o frade, lembrando que a Província da Imaculada Conceição vive o Ano Vocacional. “Em todos esses lugares, junto com vocês, queremos celebrar a graça da nossa vocação e pedimos orações para que tenhamos vocações tanto para a vida religiosa franciscana quanto também para o serviço presbiteral desta Diocese. Oração pelas vocações é um compromisso e um caminho que eu peço a todos vocês. E aí nós viemos embalados no Ano Vocacional com o seguinte lema: ‘Com São Francisco e Frei Bruno, chamados a viver o Evangelho’. Isso vale para todos nós, batizados e batizadas”, concluiu Frei Medella.

O PROCESSO DE BEATIFICAÇÃO DE FREI BRUNO

Frei Alex Ciarnoscki, Vice-postulador da Causa de Frei Bruno, falou sobre o encaminhamento do processo de beatificação. “Conforme o tempo vai passando, o coração vai batendo com muita ansiedade, porque queremos celebrar com muita alegria a beatificação de Frei Bruno. E com toda certeza a gente diz que hoje estamos mais perto do que quando iniciamos a caminhada. Mas lá atrás, quando demos o primeiro passo, já sabíamos que seria longa a caminhada”, contou Frei Alex.

Segundo ele, esse tempo da pandemia, de modo especial no continente Europeu, atrasou um pouco o processo. “Mas o nosso Postulador garantiu que o processo está andando e andando muito bem. E é um processo muito sólido a partir da fé que o nosso povo tem pelo Frei Bruno. A qualquer momento esperamos que a Igreja dê o título de Venerável a Frei Bruno”, sublinhou.

“Enquanto a Igreja não reconhece Frei Bruno como Venerável, enquanto processo é analisado em Roma, no Brasil já vamos dando adiantamento aos nossos trabalhos. Frei Clarêncio Neotti trabalha na redação daquilo que chamamos de Positio, o resumo que deve ser apresentado, após o reconhecimento de Roma, aos cardeais para que eles possam conhecer melhor a vida de Frei Bruno. E nós, em julho, deveremos, através do Frei Estêvão Ottenbreit, que pede desculpas porque não pôde estar conosco, apresentar em Roma o dossiê dos milagres. E o nosso Postulador deve indicar para nós qual o milagre que iremos apresentar. Então, a partir de agosto, Dom Mário poderá nomear a Comissão dos Milagres para a gente iniciar o processo”, adiantou o frade.

Frei Alex destacou a importância de as pessoas comunicarem uma graça alcançada por intercessão de Frei Bruno: “Faça chegar ao nosso conhecimento através das Secretarias Paroquiais de Xaxim, Joaçaba e Rodeio. E continuem rezando a Oração pela beatificação de Frei Bruno. Que ele nos ajude a fazermos a caminhada de santidade, como cristãos e cristãs”.

O processo da Causa de Frei Bruno recebeu da Congregação para as Causas dos Santos o “nihil obstat” (nada contrário) no dia 7 de maio de 2013. No mesmo ano, no dia 30 de outubro, foi instalado o Tribunal Eclesiástico da Diocese, formado por: Pe. Davi Lenor Ribeiro dos Santos, delegado do bispo, Pe. Clair José Lovera, promotor de justiça; Michelle Selig, notária (secretária); e Cláudio Orço, notário auxiliar. Trabalhou neste processo também uma Comissão Histórica formada por Frei Clarêncio Neotti e a historiadora Iraci Lopes, que teve a missão de recolher toda a documentação sobre Frei Bruno, tudo o que se escreveu sobre ele e todas as referências à vida e santidade de Frei Bruno. Depois de cinco anos de trabalhos, encerrou-se essa fase diocesana no dia 25 de fevereiro de 2018, enviando o processo ao Vaticano.

Os jovens do Santuário Nossa Senhora Aparecida de Blumenau, acompanhados por Frei Nélson Hillesheim, lotaram um ônibus para participar da Caminhada Penitencial.

Fonte: portal franciscanos.org.br (Moacir Beggo)

Posts Relacionados

Facebook

Instagram

Últimos Posts

São Boaventura: uma voz ainda atual

Por ocasião do 750º aniversário da morte de São Boaventura , que celebraremos no dia 15 de julho de 2024, foi publicada a Carta dos Ministros Gerais

X