Mulheres oferecem fé e beleza à Mãe da Penha

Compartilhe:

Moacir Beggo

Vila Velha (ES) – Se os homens deram uma grande demonstração de fé, colocando mais de 200 mil pessoas na Romaria dos Homens, as mulheres não ficaram atrás e, bem ao seu estilo, ofereceram para a Virgem da Penha uma demonstração de fé, onde não faltaram devoção, alegria e beleza.

Com bolas coloridas, as mulheres se concentraram em frente ao Santuário do Divino Espírito Santo, outra casa franciscana em Vila Velha, e caminharam por cerca de uma hora até o Parque da Prainha, onde aconteceu o último dia do Oitavário e a Santa Missa.

Segundo os organizadores, a Romaria colocou cerca de 80 mil pessoas nas ruas e lotou o Parque da Prainha, num espetáculo belíssimo no final de tarde de sol e céu azul em Vila Velha.

Antes da celebração eucarística, o guardião e reitor do Convento e Santuário da Penha, Frei Valdecir Schwambach, presidiu o último dia do Oitavário, num dos momentos de devoção mais belos da Festa. O público, afinado com os cantos e músicos do Oitavário, comandados por Frei Mariano Toledo, deram um espetáculo à parte, principalmente nos cantos marianos.

A Santa Missa, às 16 horas, foi presidida pelo bispo auxiliar de Vitória, Dom Rubens Sevilha, que havia celebrado em duas vezes no Campinho nesta Festa, e teve como concelebrantes os frades do Convento da Penha e do Santuário do Divino Espírito Santo, além de Frei Miguel da Cruz, que veio de São Paulo, e Frei Vitalino Turcato, que veio de Agudos (SP).

Na sua homilia, Dom Sevilha, que já havia conquistado o público nas suas celebrações durante a semana, conquistou de vez as mulheres. Ele falou diretamente às mulheres e começou lembrando que as mulheres estão aos pés dessa outra grande mulher, a mãe de Jesus, aqui com o título da Penha. “Penha quer dizer rocha. Maria da Rocha. Nossa Senhora da Penha é a Maria da Rocha, que é a Maria da Rocha firme. No evangelho, Jesus diz que é preciso construir a casa sobre a rocha e não sobre a areia. Na rocha, vem a tempestade, mas a casa não cai, porque a casa da sua vida está construída sobre a rocha. Maria da Penha, Maria da Rocha, Ele que é Jesus Cristo”, explicou.

Não faltaram palavras de elogio, ânimo e incentivo às mulheres, que retribuíram várias vezes com palmas. “Quantas mulheres são de fato a coluna da família! A mulher não pode desanimar desta sua missão de ser a coluna da família na sociedade. Não desanimar da sua fé. Ele, Jesus Cristo, Ressuscitado está no meio de nós e nos fortalece”, acrescentou.

Foi muito aplaudido quando disse que Jesus tinha “um amorzinho especial pelas mulheres”, citando o fato de Maria Madalena ser a primeira pessoa a ver o Ressuscitado. “Queria falar aqui para as mães, sobretudo aquelas que enfrentam dificuldades na família, em relação a seus filhos. Primeira coisa, mãe! Não se culpe pelos erros dos filhos adultos. Não se culpe se seus filhos fazem coisas erradas, aprontam ou se estão tomando o caminho errado. Você ensinou, fez a sua parte. Você deu o melhor de você e ele se enveredou pelo mau caminho”, animou.

Falou às mulheres que não têm o apoio do marido, muito menos a sua compreensão. “Vocês se sentem sozinhas ou algumas vezes até meio abandonadas. Você sente solidão mesmo estando com uma pessoa dentro de casa. Quero dizer: você não está sozinha! Deus está sempre com você. Aliás, ele é o verdadeiro amigo. Deus é o verdadeiro companheiro. Não espere das pessoas uma felicidade que não vai encontrar. Não fique mendigando as migalhas de afeto das pessoas. Vocês são mulheres heroicas, vocês têm o carinho de Deus, o amor de Deus”, confortou. Ao falar de solidão, o bispo pediu para não confundir solidão com o vazio da alma: “O problema do ser humano não é a solidão, mas alma vazia. O problema é a coração vazio, a pessoa vazia por dentro, oca, sem valores, sem fé, sem entusiasmo”.

No final, Dom Sevilha contou que uma vez em Caratinga, Minas, perguntou a uma senhora se iria à Missa e ouviu que “iria se o marido deixasse”. Ele lamentou que muitas mulheres sejam tratadas como empregadas, escravas dos maridos e pediu que denunciem qualquer tipo de violência contra a mulher.

O toque feminino deixou a celebração mais bela. Uma bailarina trouxe o Evangeliário com uma dança suave e encantadora. Durante a oração dos fiéis, duas jovens queimaram incenso durante as preces e uma coreografia na Ação de Graças pediu paz às mulheres do Brasil.

A Festa da Penha continua neste dia 16 de abril, Dia da Padroeira. O tema deste dia é “Maria, mãe de Jesus, o Cristo da Paz!”. As missas começam na primeira hora da madrugada, à meia-noite. A segunda é à 1h30. Depois às 6, 9 e 12 horas na Capela do Convento.  No Campinho, a celebração terá os religiosos e religiosas e seminaristas às 7 horas. Depois, às 10 horas, será a celebração eucarística das pastorais sociais.

A Romaria do dia será a dos Ciclistas, que terá concentração às 8h30 em Cobilândia, seguindo depois para a Prainha. Às 16 horas, a Missa de encerramento da Festa de Nossa Senhora da Penha, seguida de grande show com o Pe. Juarez Castro.

[nggallery id=20]

Posts Relacionados

Facebook

Instagram

Últimos Posts

São Boaventura: uma voz ainda atual

Por ocasião do 750º aniversário da morte de São Boaventura , que celebraremos no dia 15 de julho de 2024, foi publicada a Carta dos Ministros Gerais

X