Francisco: testemunhar a fé não com palavras, mas com o exemplo

Compartilhe:

O Papa falou sobre o zelo apostólico do Beato José Gregório Hernández Cisneros, na Audiência Geral desta quarta-feira. Ele “não segue as próprias aspirações, mas a sua disponibilidade aos desígnios de Deus”. Segundo Francisco, “o Beato compreendeu que, por meio do cuidado dos doentes, colocaria em prática a vontade de Deus. Chegou assim, nesta estrada interior, a acolher a medicina como um sacerdócio: «o sacerdócio da dor humana»”.

Na catequese da Audiência Geral, desta quarta-feira (13/09), realizada na Praça São Pedro, o Papa Francisco falou sobre o zelo apostólico de um leigo: o Beato José Gregório Hernández Cisneros. Nascido na Venezuela, em 26 de outubro de 1864, “recebeu a fé sobretudo da mãe, como contou: «A minha mãe ensinou-me a virtude desde o berço, fez-me crescer no conhecimento de Deus e deu-me a caridade como guia»”. “São as mães que transmitem a fé. A fé se transmite em dialeto, ou seja, com a linguagem das mães, aquele dialeto que as mães sabem falar com os filhos. Vocês mães fiquem atentas a transmitirem a fé com aquele dialeto materno”, sublinhou o Pontífice.

Segundo Francisco, “a caridade foi a estrela que norteou a existência do Beato José Gregório: pessoa boa e radiante, de caráter alegre, era dotado de uma inteligência marcante; tornou-se médico, professor universitário e cientista”.

Viver a serviço de Deus e do próximo

Mas foi antes de tudo um médico próximo dos mais fracos, tanto que era conhecido na sua pátria como “o médico dos pobres”. À riqueza do dinheiro preferiu a do Evangelho, dedicando sua existência para socorrer os necessitados.

“Nos pobres, nos doentes, nos migrantes, nos sofredores, José Gregório via Jesus. E o sucesso que nunca buscou no mundo o recebeu, e continua recebendo, das pessoas, que o chamam de “santo do povo”, “apóstolo da caridade”, “missionário da esperança”.”

O Papa prosseguiu, dizendo que “José Gregório era um homem humilde, gentil e disponível. E ao mesmo tempo era movido por um fogo interior, pelo desejo de viver a serviço de Deus e do próximo. Movido por esse ardor, tentou várias vezes tornar-se religioso e sacerdote, mas vários problemas de saúde o impediram de fazê-lo. No entanto, a sua fragilidade física não o levou a fechar-se em si mesmo, mas a tornar-se um médico ainda mais sensível às necessidades dos outros; agarrou-se à Providência e, fortalecido na alma, foi mais ao essencial”.

«O sacerdócio da dor humana»

Eis o zelo apostólico dele: não segue as próprias aspirações, mas a sua disponibilidade aos desígnios de Deus. E assim o Beato compreendeu que, por meio do cuidado dos doentes, colocaria em prática a vontade de Deus, socorrendo os que sofrem, dando esperança aos pobres, testemunhando a fé não com palavras, mas com o exemplo.

“Chegou assim, nesta estrada interior, a acolher a medicina como um sacerdócio: «o sacerdócio da dor humana». Quão importante é não sofrer passivamente as coisas, mas, como diz a Escritura, fazer tudo com bom coração, para servir ao Senhor.”

Esse entusiasmo, esse zelo de José Gregório vinham “de uma certeza e de uma força”. “A certeza era a graça de Deus”, sublinhou o Pontífice. “Ele por primeiro sentia a necessidade da graça, que a mendigava nas ruas e tinha extrema necessidade do amor. E eis a força que ele almejava: a intimidade com Deus. Era um homem de oração, a graça de Deus e a intimidade com Deus. Era um homem de oração que participava da missa”, disse o Papa.

Promover o bem, construir a paz na justiça e na verdade

No contato com Jesus, José Gregório “se oferece no altar por todos”. Ele “sentiu-se chamado a oferecer a sua vida pela paz. O primeiro conflito mundial estava em andamento. Chegamos assim ao dia 29 de junho de 1919: um amigo o visita e o encontra muito feliz. José Gregório soube de fato que foi assinado o tratado que põe fim à guerra. Sua oferta foi aceita e é como se ele sentisse que sua missão na terra estivesse concluída. Naquela manhã, como sempre, tinha ido à missa e depois saiu às ruas para levar remédios a um doente. Mas, enquanto atravessava a rua, foi atropelado por um veículo; levado ao hospital, morreu pronunciando o nome de Nossa Senhora. Assim terminou o seu caminho terreno, em uma rua, enquanto realizava uma obra de misericórdia, e em um hospital, onde fez de seu trabalho uma obra-prima como médico”.

Ele nos estimula ao compromisso diante das grandes questões sociais, econômicas e políticas de hoje. Muitos falam sobre isso, tantos falam mal sobre isso, tantos criticam e dizem que tudo vai mal.

“Mas o cristão não é chamado a isto, mas sim a se ocupar disso, a sujar as mãos: antes de tudo, como nos disse São Paulo, a rezar, e depois a empenhar-se não em falatórios, a fofoca é uma praga, mas na promoção do bem, na construção da paz e da justiça na verdade.”

Também isto é zelo apostólico, é anúncio do Evangelho, é bem-aventurança cristã: “Bem-aventurados os pacificadores”.

“Sigamos em frente no caminho do Beato Gregório, um leigo, um médico, um homem de trabalho cotidiano que o zelo apostólico o impeliu a viver fazendo a caridade durante toda a vida”, concluiu Francisco.


Que o Senhor lhes dê forças, afirmou o Papa, ao se recordar da Líbia e do Marrocos

No final da audiência geral, Francisco expressou sua proximidade às vítimas e a toda a população da Líbia e do Marrocos, ao recordar os desastres sofridos nos últimos dias por esses países, dos quais já havia manifestado seu pesar anteriormente. O Papa reforçou, sobretudo, o pedido de orações pelas duras realidades enfrentadas nessas nações.

A busca por milhares de pessoas desaparecidas na Líbia continua

Ao se recordar da Líbia, o Santo Padre disse que seus pensamentos estão voltados para aquele povo “duramente atingido por violentas chuvas que causaram enchentes e inundações, resultando em inúmeras mortes e ferimentos, além de grandes danos.”

O Papa, ao fazer seu apelo, sublinhou: “convido-os a se unirem a mim em minhas orações por aqueles que perderam suas vidas, por suas famílias e por aqueles que ficaram desabrigados. Que nossa solidariedade com esses irmãos e irmãs, provados por uma calamidade tão devastadora, não falhe.”

Os números do desastre na costa do país ainda seguem imprecisos, com pelo menos 5 mil mortos. A passagem do furacão Daniel e a ruptura das barreiras na cidade de Derna a fizeram praticamente submergir quando o furacão atingiu o país no domingo (10/09). Estima-se que cerca de 10.000 pessoas estejam desaparecidas. Acredita-se que muitas tenham sido levadas pelo mar, e as buscas pelas vítimas são incessantes.

O Pontífice havia dirigido suas palavras ao país norte-africano através de um telegrama, divulgado na terça-feira (12/09), assinado pelo secretário de Estado, cardeal Pietro Parolin, e direcionado ao núncio apostólico dom Savio Hon Tai-Fai. No texto, o Papa afirma que recebeu “com profunda tristeza a notícia da imensa perda de vidas humanas e na ocasião, expressou também “uma sincera proximidade espiritual aos feridos, aos que temem pelos seus entes queridos desaparecidos e às equipes de emergência que prestam socorro e assistência”.

No Marrocos, mais de 300 mil pessoas foram afetadas

Francisco se recordou também do terremoto que atingiu o Marrocos: “meus pensamentos se voltam novamente para o nobre povo marroquino que sofreu esses tremores de terra, esses terremotos. Oremos pelo Marrocos, oremos por seus habitantes. Que o Senhor lhes dê forças para superar esse terrível incidente que passou por sua terra”.

O número de mortos pelo terremoto da sexta-feira (08/09) no Marrocos é de aproximadamente 3 mil, e estima-se que cerca de 5,5 mil pessoas foram feridas. De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), mais de 300 mil pessoas foram afetadas pelo terremoto, definido como o mais mortal no Marrocos desde 1960.

Durante a oração do Angelus no último domingo (10/09), o Papa expressou sua proximidade ao povo do Marrocos: “rezo pelos feridos, por aqueles que perderam a vida – tantos! – e por seus familiares. Agradeço aos socorristas e a todos os que estão trabalhando para aliviar o sofrimento das pessoas; que a ajuda concreta de todos possa apoiar a população neste momento trágico. Estamos próximos ao povo do Marrocos”.

A mente e o coração do Papa estão sempre voltados para a Ucrânia

Em suas palavras finais, o Santo Padre recordou ainda a Ucrânia e pediu novamente orações pela paz e por este martirizado país: “continuemos a orar pela paz no mundo, especialmente na martirizada Ucrânia, cujo sofrimento está sempre presente em nossas mentes e em nossos corações.”

Fonte: Vatican News – Vatican Media | Mariangela Jaguraba

Posts Relacionados

Facebook

Instagram

Últimos Posts

São Boaventura: uma voz ainda atual

Por ocasião do 750º aniversário da morte de São Boaventura , que celebraremos no dia 15 de julho de 2024, foi publicada a Carta dos Ministros Gerais

X