Festa da Penha: A lição de fé que vem de Emaús

Compartilhe:

Moacir Beggo

 Vila Velha (ES) – Depois de muita chuva à noite, o sol veio forte durante o dia e deixou mais iluminado o Campinho do Morro da Penha para o 4º dia do Oitavário da Festa da Penha, nesta quarta-feira, 24 de abril. A Área Pastoral Benevente foi a responsável pela liturgia da Celebração Eucarística, às 15 horas. Pe. Jairo Antônio de Souza, pároco da Paróquia de Nossa Senhora dos Navegantes, no Balneário de Meaípe, em Guarapari, presidiu a Santa Missa e brindou os fiéis devotos de Maria com a linda passagem bíblica dos discípulos de Emaús.

Esta região pastoral é uma das mais distante da Arquidiocese de Vitória, formada pelos municípios Alfredo Chaves, Anchieta, Guarapari, marcada, na sua imensa maioria, pelo povo que trabalha e vive na área rural. O Coral da Paróquia São José de Guarapari deixou a celebração mais bonita.

Segundo Pe. Jairo, no relato de Emaús, dois discípulos caminham desolados, afastando-se da comunidade de Jerusalém. “Naquele mesmo dia, o primeiro da semana, estavam indo,  desnorteados, Cleófas e sua esposa Maria, a um lugar de água quente. Saíram de Jerusalém, lugar de paz, e vão para um lugar que parecia ser seguro. E Jesus vai atrás dessa família, que O acompanhava desde a Galileia, que entrou com ele em Jerusalém, estava ali com ele e outras mulheres em torno do mistério da Cruz. Mas perdeu-se o rumo, perdeu-se a capacidade de raciocinar. Não reconhecem Jesus. Perdem o sentido de existir, até de crer”, explicou.

Segundo Pe. Jairo, já fazia três dias que Ele havia morrido e eles não compreendiam nada do que aconteceu no Monte da Transfiguração, onde Pedro, Tiago e João estavam juntos. Não entenderam nada do Monte das Oliveiras e não gravaram nada no coração da espiritualidade em torno da cruz. “O desespero tomou conta deles. Quantas e quantas vezes, queridos irmãos, o desespero toma conta da gente e faz com que percamos a fé. Não conseguimos ver Jesus. Ele também caminha conosco, apesar de O ignorarmos, de não O reconhecermos”, acrescentou.

Os discípulos só reconheceram Jesus no momento em que Ele partiu o pão. Foi a partir deste momento que os seus olhos se abriram e eles puderam vivenciar a alegria da ressurreição de Jesus. “Mas três coisas me chamaram a atenção neste Evangelho e que são importantes para nossa vida familiar, principalmente dos casais. Primeira coisa: pediram a Jesus para entrarem na casa deles. Segunda, reconheceram Jesus, mas só O reconheceram porque deixaram Jesus tomar o lugar de anfitrião. Jesus senta à mesa no centro, parte o pão, e diz palavras que foram ditas na quinta-feira da Eucaristia e lá na multiplicação dos pães. Olha que importante gesto para a fé: Reconheceram. A terceira coisa é que não ficaram mais no seu cantinho. Eles voltam para o lugar de paz, onde Jesus vai aparecer e dizer, na liturgia do domingo que vem: A paz esteja convosco!”.

 

“Ele tem necessidade que os seus O vejam vivo. Eles tomaram uma consciência de fé, uma fé cristã, e confirmaram: realmente o Senhor ressuscitou”, disse.

“Que Ele ressuscite na nossa casa. Como é bom saber que Jesus quer entrar em nossa casa. Ele quer tomar a frente da nossa vida. Ele quer se sentar no lugar de honra da nossa casa, com tudo o que tem – tristezas, alegrias, doenças, desemprego, até drogas -, ele quer estar presente. Ali, Cristo se dá a conhecer e parte o pão a quem se abre a ele”, completou.

MOMENTO DEVOCIONAL FRANCISCANO

O guardião do Convento da Penha, Frei Paulo Pereira, como faz todo dia, acolheu o povo antes da Santa Missa com o Momento Devocional Franciscano, que tem início com a procissão de entrada da imagem de Nossa Senhora da Penha, que neste dia foi carregada pelos jovens da Área Pastoral de Benevente. À frente da imagem, o cortejo formado por crianças vestidas de anjos não deixa ninguém indiferente. Atrás, o cortejo dos frades da Província da Imaculada, entre eles o Ministro Provincial Frei César Külkamp, e o Vigário Provincial, Frei Gustavo Medella, acompanham a procissão.

“Lembramos como a devoção a Nossa Senhora é importante e cheia de significados para o povo capixaba. O Seminário de nossa Arquidiocese está confiado à proteção materna de Nossa Senhora da Penha, duas Paróquias ostentam o título de Nossa Senhora da Penha e são inúmeras comunidades que a escolheram como Padroeira”, explicou Frei Paulo.

Frei Paulo também lembrou que em Cariacica, no feriado de Nossa Senhora da Penha, a Padroeira é homenageada com um festival de bandas de congo. “É o encontro da cultura popular com a devoção à Mae de Jesus. É por isso que trazem os estandartes de muitos santos que responderam ‘sim’ à vontade de Deus. É bonito quando a banda canta perguntando: “Iaiá, você vai à Penha?”, ressaltou Frei Paulo, acolhendo a banda “Beatos de São Benedito”, que entrou em procissão no Campinho, cantando e dançando até o altar.

Nesta quinta-feira, 5º dia do Oitavário, a Área Pastoral Serra/Fundão será responsável pela liturgia do dia. À noite uma grande apresentação da Orquestra Sinfônica do Espírito Santo, no Santuário Divino Espírito Santo de Vila Velha.


VEJA MAIS IMAGENS DA CELEBRAÇÃO DESTE DIA

Posts Relacionados

Facebook

Instagram

Últimos Posts

São Boaventura: uma voz ainda atual

Por ocasião do 750º aniversário da morte de São Boaventura , que celebraremos no dia 15 de julho de 2024, foi publicada a Carta dos Ministros Gerais

X