Em agosto, Papa pede oração a marinheiros, pescadores e familiares

Compartilhe:

Paz e Bem!

No vídeo de intenção de oração para o mês de agosto, o Papa Francisco pede que rezemos por todas as pessoas que trabalham e vivem do mar. Uma preocupação do Pontífice que também denuncia a difícil situação dessas pessoas: do “abandono em portos distantes” e do “trabalho forçado” até a “pesca industrial e a poluição”. Nos últimos 9 anos, particularmente vulneráveis à exploração e ao abuso, 745 trabalhadores do mar morreram e quase 9 mil ficaram feridos num dos serviços mais perigosos do mundo.

“A vida do marinheiro, do pescador e das suas famílias é muito dura. Às vezes, está marcada pelo trabalho forçado ou pelo abandonado em portos distantes. A concorrência da pesca industrial e a poluição tornam o seu trabalho ainda mais complicado. Sem os trabalhadores do mar, muitas partes do mundo passariam fome. Rezemos por todas as pessoas que trabalham e vivem do mar, entre eles os marinheiros, os pescadores e suas famílias.”

Esse é o pedido do Papa Francisco no novo ‘O Vídeo do Papa’ divulgado nesta terça-feira (4) para que o mês de agosto seja dedicado com orações aos trabalhadores do mar, que diariamente passam por inúmeras dificuldades e desafios. Francisco convida a rezar por todos os sacrifícios dessas pessoas e pela contribuição à humanidade, ao transportar e fornecer diariamente alimentos e produtos de primeira necessidade.

Nos últimos anos, a imprensa internacional tem revelado as duras condições de trabalho da indústria marítima. O livro “Fishers and Plunderers – Theft, Slavery and Violence at Sea” (Pescadores e Piratas – Roubo, Escravidão e Violência no Mar), de 2015, por exemplo, descreve que os pescadores e marinheiros trabalham num dos serviços mais perigosos do mundo e estão particularmente vulneráveis à exploração e ao abuso. Nos piores casos, chegam a ser traficados para viver em condições semelhantes à escravidão.

A própria Agência Europeia de Segurança Marítima declarou em relatório que, entre 2011 e 2020, 745 trabalhadores do mar morreram e quase 9 mil ficaram feridos. Através de imagens disponíveis no vídeo, fornecidas pela Fundação de Justiça Ambiental (EJF), é possível identificar os desafios enfrentados no mundo do mar.

A preocupação do Papa, então, vai do “abandono em portos distantes” e do “trabalho forçado” até a “pesca industrial e a poluição”. Francisco também enfatiza, em meio a essa situação alarmante, que “sem os trabalhadores do mar muitas regiões do mundo passariam fome e necessidade”. De fato, mais de três bilhões de pessoas dependem da biodiversidade marinha e costeira para a sua subsistência. A pesca marinha emprega, direta ou indiretamente, mais de 200 milhões de pessoas.

O trabalho no mar e a pandemia

Posts Relacionados

Facebook

Instagram

Últimos Posts

São Boaventura: uma voz ainda atual

Por ocasião do 750º aniversário da morte de São Boaventura , que celebraremos no dia 15 de julho de 2024, foi publicada a Carta dos Ministros Gerais

X