Dom Sevilha conquista o povo na Festa da Penha

Compartilhe:

 

Moacir Beggo

Vila Velha (ES) – O novo bispo auxiliar da Arquidiocese de Vitória, Dom Rubens Sevilha, vai cuidar “dos rebanhos” das regiões de Vila Velha, Cariacica e Viana. Ontem (9/4), ele presidiu a principal celebração do dia da Festa da Penha porque era reservado à Vila Velha e voltou nesta terça-feira (10/4) para presidir novamente a celebração das 15 horas porque a outra parte de seu rebanho, Cariacica e Viana, veio festejar Nossa Senhora da Penha.

Ele teve como concelebrantes Dom Joaquim Waldimir Lopes Dias, também nomeado recentemente bispo auxiliar da Arquidiocese de Vitória e responsável pelas áreas pastorais de Vitória e Serra, os sacerdotes de 15 paróquias de Cariacica e Viana, o guardião Frei Valdecir Schwambach, e os frades que residem no Convento da Penha.

Dom Sevilha, ex-provincial dos Carmelitas, não precisará de muita apresentação ao povo dessas duas grandes cidades da Região Metropolitana de Vitória. O bom público que lotou o Campinho, aplaudiu, interagiu e demonstrou empatia pelo novo pastor.

De forma simples, ele fez considerações e reflexões sobre o tema do dia: “Páscoa, a vida é mais forte do que a morte”. Ao explicar que Páscoa é passagem, D. Sevilha enfatizou que o cristão não pode desanimar. “Ele tem que sempre ir em frente, caminhar. Sua vida tem que sempre ir crescendo, porque a vida espiritual, a vida humana é igual a água: se parar, apodrece”, disse.

Segundo o bispo, nesse caminho, a vida é mais forte do que a morte. “Não porque sejamos fortes, não! Somos fracos. Mas Deus é forte. É a força de Deus, a ressurreição de Cristo que é nossa força. Na Primeira Leitura, quando Pedro fala sobre Jesus, o povo pergunta: nós devemos fazer o quê? Essa pergunta nós devemos também fazê-la hoje. O que devemos fazer na vida, como conduzir a vida, como viver? É São Pedro que dá a resposta: convertei-vos”.

Para o bispo, converter quer dizer mudar e quem tem mais de 7 anos de idade já sabe o que deve melhorar e mudar na sua vida. “Esta é a conversão: tomar uma decisão. Esta decisão é o famoso Sim de Nossa Senhora: Eis aqui a serva do Senhor! O que é o sim? É você tomar uma decisão. Saber o que você deve fazer”, acrescentou.

D. Sevilha exemplificou: “Alguém aqui é pessimista demais. Sabe aquela pessoa para quem está tudo ruim, tudo está mal, nada está bom! Essa pessoa só reclama da vida. Vocês conhecem alguém assim?”, perguntou e ouviu: “Está cheio!”. Ele respondeu: “Nossa, achei que eram dois ou três…! (risos)”.

“Caros irmãos e irmãs, quanto mais pessimista ele é, menos fé ele tem. Pessimismo não combina com cristianismo, porque o pessimista, de forma indireta, nega a Deus. Esta pessoa nega a presença de Deus no mundo, nega a ação Deus na sua vida. Deus deve olhar para esta pessoa, essa filha, esse filho, e dizer: Será que não fiz nada de bom para você?”, questionou.

Segundo o bispo, quem é negativo vive reclamando e falando demais. É nervoso. “Quem aqui é nervoso demais? Não precisa levantar mão. Tem muita gente assim, não é? Os padres, eu sei, nós não somos… (risos). Todo mundo é calminho!”, brincou.

Cativando o público com algumas brincadeiras, D. Sevilha continuou o questionamento. “Caros irmãos e irmãs, Jesus nos ensina a ter paciência uns com os outros. Seja paciente com padre, mas o padre precisa ser paciente com o povo, seja paciente dentro de casa, tenha paciência com o seu marido. Não queira mudar o seu cônjuge. Esta é uma grande tentação que você tem e precisa se converter. Se tem alguém aqui casado, que está esperando mudar o outro, por exemplo, a mulher que quer mudar o marido, ou o marido que quer mudar a mulher, sinto muito em lhes dizer, queridas, que seu marido vai morrer desse jeito…(risos). E meus senhores, sinto em lhes dizer, que sua mulher vai morrer do jeito que ela é. Melhorar, o ser humano melhora. Mas cabe a nós não querer mudar o ser humano. Não queira melhorar o outro. Isso não nos compete. Compete a Deus, à própria pessoa e quando ela pedir. Agora, devo mudar a mim mesmo e acolher o outro com o meu coração do jeito que ele é. Esse é o mandamento do amor ao próximo. Amai-vos uns aos outros”, ensinou.

Por último, D. Sevilha lembrou São João da Cruz para dizer que ele comparava a vida a uma subida. O problema, segundo o bispo, é que no caminho carregamos muitas malas, mochilas e sacolas. “Apegamo-nos a coisas. Vamos carregando aquilo tudo, querendo carregar o mundo todo”, explicou. “Diz São João da Cruz que, ao longo da vida, é preciso ir largando. São as perdas. Na vida nós vamos perdendo pessoas queridas, coisas preciosas para nós, e tudo com sofrimento. A morte de um filho, por exemplo. As perdas da vida que o Senhor  nos tira, mas é preciso ir caminhando, não parar, não desanimar. Quais são suas malas, mochilas e sacolas que você está carregando?”, perguntou.

E novamente fez o público rir muito. “Uma vez fiz esta pergunta e depois veio na sacristia uma mulher e falou: ‘Eu já descobri qual é a mala da minha vida! É o meu marido!’. Essa mala aí não pode jogar fora, tem que carregar. Carregar a cruz!”, amenizou, completando: “Peçamos ao Senhor, por intercessão de Nossa Senhora da Penha, que a vida seja mais forte do que a morte. Que a vida de Deus em nós, a fé que o Senhor dá e alimenta, seja mais forte do que a morte, do que desânimo, o mal, a desunião! Que a vida de Deus seja a força da nossa vida!”.

OITAVÁRIO

O Oitavário, o momento devocional da Festa da Penha, começou às 14h30, quando o guardião do Convento, Frei Valdecir Schwambach, começou a acolhida do povo e lembrou que o tema deste terceiro dia do Oitavário era “Páscoa: a vida é mais forte que a morte!”. Frei Claudius Guski, da fraternidade do Convento, presidiu esta celebração, levando as pessoas a refletirem sobre a Virgem da Penha e a devoção que Frei Pedro Palácios nos deixou. O Coral do Oitavário, os músicos e Frei Mariano Toledo emocionaram os devotos com os cantos marianos, como a “Virgem Morena”, durante encenação da aparição de Nossa Senhora de Guadalupe.

Nesta quarta-feira (11), quarto dia do Oitavário da Festa da Penha, o tema é “Fica conosco, Senhor!”. As missas na Capela do Convento acontecem às 6, 7, 8 e 9h30. O Oitavário tem início às 14h30, seguida da celebração eucarística, que estará sob a coordenação da área pastoral de Benevente.

[nggallery id=9]

Posts Relacionados

Facebook

Instagram

Últimos Posts

São Boaventura: uma voz ainda atual

Por ocasião do 750º aniversário da morte de São Boaventura , que celebraremos no dia 15 de julho de 2024, foi publicada a Carta dos Ministros Gerais

X