“Aproveitem esse tempo do Noviciado”, diz Frei Paulo à turma dos noviços 2023

Compartilhe:

Paz e Bem.

A Província Franciscana da Imaculada Conceição do Brasil e a Província São Francisco Solano da Argentina acolheram, neste domingo (15/01), às 6h30, sete noviços para iniciarem o Ano da Graça em 2023 no Noviciado São José, em Rodeio (SC). Esse momento aconteceu durante Celebração no refeitório do Convento, com um rito simples e próprio para a iniciação à Vida Religiosa. Este foi também o segundo ano que o Noviciado recebeu noviço da Conferência dos Frades Menores do Brasil e do Cone Sul.

“Nesta manhã, alegramo-nos com mais um grupo de jovens que quer fazer a experiência no seguimento de São Francisco de Assis neste Noviciado”, saudou o mestre Frei Samuel Ferreira de Lima, explicando que o rito, “muito simples, singelo, mas marcante”, significa uma passagem da vida laica para a vida religiosa.

Os postulantes da Província da Imaculada Conceição – Cristian dos Santos Lopes; Felipe Fernando Noronha; Gabriel Sperança Goschel; Gilson Ramos de Oliveira; Matheus Querino; e Victor Gomes Franz – foram acolhidos pelo Ministro Provincial, Frei Paulo Roberto Pereira, e o postulante Rodrigo Mina foi acolhido pelo Vigário Provincial, Frei Claudio Darío Equizada, da Província Argentina São Francisco Solano. Presentes na celebração o mestre do Postulantado, Frei Walter de Carvalho Júnior, que acompanhou esta turma durante o ano de 2022, em Guaratinguetá (SP), e chamou um a um os postulantes. Como mestre do postulante argentino veio a rodeio Frei Fernando Ferrario. Esta celebração não foi aberta ao público e entre os frades presentes estava o Definidor Provincial Frei Robson Luiz Scudela.

Logo no início do rito, os postulantes fizeram o pedido ao Ministro Provincial para participar da vida da Família Franciscana da Ordem dos Frades Menores, e foram aceitos: “Nós vos recebemos em nossa Fraternidade para que possais experimentar a vida dos Frades Menores”, disse Frei Paulo.

O Ministro Provincial abriu sua reflexão recordando um chiste que é muito conhecido no ambiente religioso, que diz que o beneditino, quando recebe alguém no mosteiro, leva-o para a capela, porque a oração é a medula da vida monástica; já o jesuíta, quando recebe alguém, leva à biblioteca, destacando que o saber, a inteligência e a busca da razão são essenciais para sua vida e identificação. E dizem que os franciscanos levam, primeiro, o visitante para o refeitório. “E, então, nos sobra a glutonaria, que é um pecado”, brincou o Ministro Provincial.

Mas hoje nós mostramos que esse chiste é até engraçadinho, mas não reflete a essência de nossa vida quando nos associa ao prazer da mesa simplesmente. E hoje nós estamos aqui no refeitório – e o refeitório é para nós, franciscanos, o lugar central – nem pelo que se come, mas pelo que se experimenta. Nós estamos aqui e queremos experimentar cada vez mais aquilo que o próprio Senhor nos ensinou: a qualidade de vida das nossas Fraternidade pode ser medida pela qualidade da convivência à mesa. Em visita às nossas Fraternidades, podemos perceber que se a refeição é rápida e sem integração, a vida daquela fraternidade e a sua missão, certamente, estão deficitárias, estão precisando de um vigor renovado. A comensalidade já foi tida como uma virtude capaz de transformar o mundo”, observou, recordando o livro que Leonardo Boff escreveu sobre a comensalidade.

Segundo Frei Paulo, os inimigos não se reúnem em torno de uma refeição, mas peleiam no campo da guerra. “Mas junto à mesa se encontram aqueles que buscam o mesmo ideal e nós, franciscanos que queremos ser, desejamos estar em torno à mesa em busca do mesmo ideal”, reforçou.

Para o Ministro Provincial, tristemente o ritualismo e até o devocionismo, na forma como se vive o grande dom da Igreja, fez esquecer que a própria Eucaristia é uma refeição. “Nossa forma de viver a fé como dom, o grande dom da Eucaristia, é uma refeição”, enfatizou, lembrando que Jesus reuniu os seus discípulos no momento marcante, crucial da sua vida, em torno da mesa para anunciar as últimas palavras do seu Testamento. “Eucaristia é refeição, refeição que nos faz pessoas, refeição que nos faz servidores, aqueles que lavam os pés uns dos outros. Por isso é bastante significativo e importante que nós, no início da caminhada do Noviciado de vocês, nos reunamos aqui no refeitório”, explicou.

Frei Paulo pediu aos noviços para revelarem “pela nossa vida, não pela nossa roupa, que a cruz de nosso Senhor Jesus Cristo é caminho de salvação, é caminho de santidade. E ainda, na cruz de Nosso Senhor Jesus Cristo, com a cor do pobre”, ensinou.

Outro elemento que constitui esta celebração, segundo o texto que foi lido do Testamento, São Francisco é muito grato a Deus, “que revela a ele a forma de viver, que revela a ele o que fazer e até o que escrever e dizer. Mas ele diz que o próprio Senhor, que havia revelado a ele todas essas coisas, também a ele concede irmãos”, destacou Frei Paulo. “A Fraternidade, e aqui eu quero insistir, não se restringe apenas àqueles irmãos que conosco convivem. Para ser franciscana de fato, a fraternidade tem que supor a fraternidade entre todos, sobretudo entre os mais pobres. A fraternidade e a cruz são o caminho que vai conduzi-los àquilo que vocês querem fazer”, exortou.

Frei Paulo lembrou que o sino da Igreja Matriz de Rodeio marca um tempo diferente nesta etapa de formação. “O tempo do Noviciado tem uma outra medida. Aproveitem esse tempo, vivam com intensidade esse tempo de estar consigo mesmo, de cultivar a fraternidade e, sobretudo, de estar na presença do Senhor. E vocês nos pediram que querem aproveitar esse tempo revestido com o hábito da penitência para viver o tempo da própria penitência. É o tempo de ouvir o Evangelho, de observar a pobreza e humildade de Nosso Senhor, de buscar possuir o Espírito do Senhor. O tempo de rezar com o coração puro e casto. O tempo de se alimentar do amor fraterno, com a certeza de que terão um ano abençoado e fecundo. Assim seja!”, desejou.

Em seguida, o Ministro Provincial abençoou os hábitos e os entregou a cada um. As vestes da provação são talhadas em forma de cruz, em sinal de maior adesão ao seguimento de Cristo. Com ajuda de frades presentes em Rodeio para esta celebração, os noviços vestiram os hábitos e assinaram o livro de Atas de Admissão ao Noviciado da Ordem dos Frades Menores. A oração terminou com a bênção de São Francisco.

A partir desta celebração, esses jovens estão sob a orientação do Mestre Frei Samuel Ferreira de Lima e da Fraternidade do Noviciado.

Frei Paulo agradeceu ao Mestre Frei Walter e, através dele, toda a Fraternidade do Postulandado “pela dedicação, pela forma como conduziu este ano de Postulantado”. A mesma gratidão externou ao mestre da Província São Francisco Solano.

No final deste ano, esses noviços estarão aptos para fazer a Primeira Profissão na Ordem Franciscana. No hábito que agora vestem, o cordão ainda não tem os três nós que simbolizam os conselhos evangélicos (obediência, sem nada de próprio e castidade). Esse hábito é temporário e eles ganharão o definitivo na Primeira Profissão, quando concluírem este tempo de provação.

Na Missa em seguida, às 8h00, os noviços foram apresentados para a Comunidade Paroquial pelo presidente da Celebração, Frei Jeâ de Paulo Andrade, animador do Serviço Vocacional da Província da Imaculada, junto com Frei Gabriel Dellandrea.


Moacir Beggo, pela Comunicação da Província da Imaculada Conceição

Posts Relacionados

Facebook

Instagram

Últimos Posts

São Boaventura: uma voz ainda atual

Por ocasião do 750º aniversário da morte de São Boaventura , que celebraremos no dia 15 de julho de 2024, foi publicada a Carta dos Ministros Gerais

X