“Ao dirigir é preciso ter consciência e conversão”, pede Frei Alessandro

Compartilhe:

Paz e Bem!

Em solidariedade às famílias e em respeito à memória das vítimas de acidentes de trânsito, o Convento da Penha realizou na manhã do último domingo (02), a tradicional “Missa em Memória das Vítimas de Trânsito” e contou com participação presencial do senador Fabiano Contarato. Devido à pandemia, a Missa que já ocorre há 14 anos, teve transmissão online pelas redes sociais do Convento.

A Liturgia celebrada foi do 18º Domingo do Tempo Comum e o Frei Alessandro Dias do Nascimento presidiu a Celebração. Ressaltando a necessidade de responsabilidade individual com o coletivo para promover paz no trânsito, o frei recordou as vítimas e cobrou uma atuação mais forte aos crimes de trânsito. “Há uma estatística que diz que quatro pessoas são acidentadas no trânsito por dia no nosso Estado. Por mais que existam políticas públicas, cabe, também, a cada um de nós, obedecer às leis. Precisamos respeitar ao próximo. Como diz a reflexão: ‘Jamais corra mais rápido do que o seu anjo da guarda possa voar’. Nós temos que ter consciência e prudência”, alertou o Frei.

Antes, durante o comentário inicial feito na acolhida da Missa, Frei Pedro de Oliveira afirmou que há muito desrespeito a vida no trânsito, tratando-se de uma verdadeira ‘guerra’. “Vamos recordar aqueles que partiram e os que ficaram mutilados, vítimas da irresponsabilidade de alguém quando assume o volante se julga dono da vida do outro, de alguém que bebe e assume a direção de um veículo e assim sai matando, destruindo vidas…”, em seguida recordou alguns casos de vítimas de trânsito, cobrando por justiça.

Na homilia, Frei Alessandro disse também que “às vezes vemos que por um lado houve uma redução no número de acidentes, por outro, aumentou o número de vítimas… O automóvel é um bem para você fazer um bem, não é para prejudicar o próximo, a gente precisa ter consciência e conversão da nossa parte”.

Para o senador Fabiano Contarato, a construção da paz no trânsito deve ser um objetivo comum a todos, por envolver a segurança e a vida das pessoas. “A missa é uma forma de as instituições e do próprio poder público se humanizarem, terem a sensibilidade de se colocar na dor do outro. Se todos nós tivéssemos a percepção de que quem vive em nós é Cristo, exerceríamos muito mais o amor, o respeito, a caridade, a compaixão, a humildade. Defender a vida humana é sair em defesa de Deus”, assinalou.

No Brasil, 40 mil pessoas morrem e mais 300 mil são mutiladas, por ano, em acidentes de trânsito. Delegado de trânsito por mais de 10 anos, Contarato testemunhou a dor das famílias das vítimas. “Precisamos defender um trânsito seguro. Essa é uma missão de todos nós”, frisou o senador. Ele explicou, com tristeza, que por muitos anos acompanhou o drama das famílias que eram obrigadas a sepultar seus entes, assim como irem ao DML para reconhecer os familiares vítimas do trânsito.

A celebração da Missa marcou também o Dia Estadual em Memória das Vítimas de Acidentes de Trânsito, estabelecido no primeiro domingo de agosto, conforme a Lei Estadual nº 9.689/2011. Ao conduzir entrevista com Contarato após a Missa, o Frei Paulo Roberto Pereira, Guardião do Convento, destacou a união dos franciscanos do Convento da Penha a todas as pessoas que assumem o compromisso de estabelecer relacionamentos mais cheios de paz, geradores de segurança, de harmonia e fraternidade.

“Nós nos motivamos com duas palavras: compaixão e compromisso. Nós nos unimos nessa data para compartilhar da dor de tanta gente que perdeu um parente, um amigo, uma pessoa querida em acidente de trânsito, sem poder se despedir. São verdadeiros assassinatos no trânsito. Então, nós nos manifestamos com compaixão e compromisso. Esse compromisso deve ser de todos nós, das autoridades que fazem as leis serem cumpridas, e de todos os cidadãos que precisam humanizar o trânsito”, afirmou Frei Paulo.



Veja abaixo a conversa do Frei Paulo com o Senador Fabiano.

Posts Relacionados

Facebook

Instagram

Últimos Posts