3º dia do tríduo do Rosário: “quando não compreendemos alguma coisa, devemos recorrer a Nossa Senhora”

Compartilhe:

Paz e Bem!

Com alegria fiéis se reuniram na Igreja do Rosário para celebrar o 3º dia do Tríduo, em preparação a Festa de Nossa Senhora do Rosário, Padroeira da Paróquia e de todo o município de Vila Velha, na noite deste sábado. A Festa de Nossa Padroeira, Nossa Senhora do Rosário, este ano tem como tema: Maria nos tempos difíceis. Com Maria, aprendemos a estar com o Senhor na alegria e na dor, e com Ela aprendemos a cultivar em nós a fé e a esperança.

Neste 3º dia do Tríduo, contemplamos três momentos na vida de Nossa Senhora: O Caminho da Cruz, Jesus morto nos Braços e A Angústia pela espera da Ressurreição. Maria aos pés da cruz nos dá um belo testemunho de amor, de fé, de silêncio e contemplação. Diante do maior ato de obediência de Jesus ao Pai, ali estava Maria com uma fé inabalável, onde recebe do seu Filho amado a derradeira mensagem de amor pela humanidade: Eis aí teu Filho, Eis aí tua Mãe.

A celebração foi presidida por Frei Alessandro Dias do Nascimento, da Fraternidade do Convento da Penha. E como nos demais dias, a imagem foi acolhida no meio dos fiéis enquanto se entoava seu hino e logo após, a oração pedindo a intercessão da Virgem do Rosário.

Em sua homilia, o frade lembrou o encontro sereno de Maria na cruz, mesmo em meio a todo o sofrimento! Jesus pede pra Maria cuidar de cada um de nós, e que nós sempre nos voltemos a ela. Maria age com serenidade diante da dor. Ela é do silêncio, medita sempre no coração, mesmo diante do sofrimento. Pega nos braços o seu filho morto, com olhar simples de quem esperança no sofrimento!

Em momento algum se fala que Maria foi ao túmulo visitar Jesus, pois ela tinha fé, sabia que a morte não era o fim! Todos nós somos filhos e filhas de Deus, acolhidos pela Mãe como filhos. Quando não compreendemos alguma coisa, devemos recorrer a Nossa Senhora! Nós só ouvimos de Maria louvor, nada de reclamação!

Após a comunhão, aconteceu o momento devocional preparado pelas equipes de Catequese Infantil e Perseverança da Paróquia, com a seguinte reflexão:

“Maria não é somente a mãe que concebeu, gestou, deu á luz, nutriu e educou Jesus”. Maria experimentou a dor do Filho, sofrendo. chorando e se manteve firme se erguendo junto a cruz. A dor da mãe se assemelha a dor do filho. Ela O viu ser rejeitado, julgado e condenado injustamente, ela viu seu Filho derramando sangue, sendo humilhado, ultrajado e morrendo na cruz. Qual é o tamanho da dor dessa Mãe? Qual é o tamanho da espada que transpassa o coração dessa Mulher?

Maria continuava firme na fé, confiante, entregando toda sua alma ao coração de Deus e traz em si as dores de todas as mulheres de todos os tempos. Maria é a mãe que sofre com todas as mulheres sofridas, discriminadas e rejeitadas. Ela é a Mãe que carrega as dores de todas as mães, ela é a Mãe solidária, companheira e presente; a Mãe que se faz presente com todas as mães que sofrem com seus filhos seja pelas DROGAS, pela VIOLÊNCIA, pela FOME, pelo DESEMPREGO, pelo ABANDONO e pelas DOENÇA. Lembramos a COVID que levou tantos filhos deixando o coração de suas mães dilacerados.

Maria é a Mãe presente na dor, no sofrimento, na aflição e na compreensão de todas as mulheres! Aos pés da Cruz Maria nos recebeu como filhos e filhas e nunca poderemos negar a nossa filiação. E assim como São João a levou para a sua casa, nós também a trazemos junto de nós no nosso coração, na nossa casa, na nossa família, como aquela que organiza a nossa vida e nos ensina a fazer tudo o que Jesus nos manda fazer!

– Maria, mãe de Jesus, mãe da Igreja, rogai por nós!”

Enquanto a catequista lia essa reflexão, crianças entraram trazendo cartazes e as mães, um terço. Ao final, um grande cartaz escrito RESSURREIÇÃO, na esperança de que o sofrimento de Maria, o sofrimento das mulheres, passará.

Após a missa, aconteceu a apresentação do 38º Batalhão de Infantaria de Vila Velha e foram vendidos churrasquinhos, caldos, pão com linguiça e doces, além da lojinha com venda de blusas e bonés da Igrejinha Matriz.

Para conferir as fotos, clique aqui.

Fonte: paroquiadorosario.com

Posts Relacionados

Facebook

Instagram

Últimos Posts

São Boaventura: uma voz ainda atual

Por ocasião do 750º aniversário da morte de São Boaventura , que celebraremos no dia 15 de julho de 2024, foi publicada a Carta dos Ministros Gerais

X