Meio Ambiente

Tem início a Campanha da Fraternidade na Arquidiocese de Vitória

A missa de abertura da Campanha da Fraternidade 2017 na Arquidiocese de Vitória começou com a frase: “O mundo é um jardim que Deus criou e nos deu. Todos somos jardineiros responsáveis por esse jardim”. Dita pelo bispo auxiliar Dom Rubens Sevilha, a frase sintetiza o  tema: “Fraternidade: biomas brasileiros e defesa da vida” e o lema da Campanha: “Cultivar e guardar a criação” (Gn 2.15), e nos propõe a reflexão: Estamos sabendo cuidar do nosso jardim?

A celebração Eucarística aconteceu às 16 horas no Campinho do Convento da Penha e foi um momento de reflexão sobre os cuidados com a nossa casa comum, iniciado com a leitura da mensagem do Papa Francisco para a Campanha da Fraternidade.

Durante a homilia, Dom Sevilha disse que a destruição da natureza se resumem em três tentações: a tentação da ambição, a tentação da fé e a tentação do poder.
“Nosso desejo de querer, de possuir, de consumir sem necessidade nos leva a destruir a natureza para produzirmos bens de consumo. Compramos coisas demais, desperdiçamos água, comida, consumimos demais. Que nessa Quaresma nos convertamos no sentido de diminuir esse consumismo”, alertou.

A tentação da fé, segundo Dom Sevilha, é quando passamos a questionar o poder de Deus com nossos questionamentos: Será que Deus vai me ajudar; será que Deus vai me abandonar; será que Deus me ama? E a tentação do poder é quando nos colocamos como deuses, donos da verdade e cheio de arrogâncias e vaidades, passando  a destruir nossa natureza por causa desta postura.
“Desmatam a natureza, destroem rios, poluem o meio ambiente em nome do dinheiro, em nome do poder, para provar que são deuses e podem tudo”, disse.

Por fim, Dom Sevilha lembrou com tristeza os quase 200 mortos da crise da segurança em nosso estado e o fato de pessoas que, em sua maioria se dizem cristãos, terem aproveitado a situação de caos na segurança adotando atitudes criminosas como saques, roubos e assassinatos.

“Mas que cristianismo é esse, que precisa ter policia para fiscalizar a ética e a moral das pessoas. Temos que trilhar o caminho da conversão para podermos ter a responsabilidade necessária para cuidar da nossa natureza e do nosso planeta”, finalizou.

Ao final da missa, foi dada a palavra a um representante da Ong Ação dos Alagados que falou sobre as ações adotadas na região de Araçás, Novo México e Guaranhuns, em Vila Velha -bairros próximos do Rio Jucu – em defesa da vida e da natureza da região.

O presidente da União Nacional das Cooperativas da Agricultura Familiar e Economia Solidária no Estado do Espírito Santo (Unicafes), José Izidoro, falou sobre a agricultura familiar e a importância do cultivo de alimentos saudáveis. Para finalizar, Frei Paulo falou sobre o projeto Re Florestar, lançado durante o evento com o objetivo de reflorestar áreas da Mata Atlântica com árvores nativas.

Os fieis que foram assistir a missa de lançamento da Campanha da Fraternidade puderam adquirir mudas com integrantes do projeto e colaboraram com um valor simbólico para custear a ação do reflorestamento que começará com a mata do Convento da Penha, onde serão plantadas 300 mudas de árvores nativas.

Fonte: Arquidiocese de Vitória