Igreja Pelo Mundo Notícias

Papa aos estudantes: cuidem da própria interioridade e livrem-se do vício de estar no celular

Compartilhe esta notícia:
Paz e Bem!
Em seu discurso aos numerosos estudantes, acompanhados por seus docentes e familiares, o Papa disse que a comunidade escolar Visconti busca unir, com a instrução, a formação global do cidadão e do cristão.

O Santo Padre encontrou, na manhã deste sábado (13/4), na Sala Paulo VI, no Vaticano, cerca de 5 mil estudantes do Instituto “Visconti” de Roma, por ocasião do Jubileu Aloisiano, ou seja, os 450 anos do nascimento de São Luís Gonzaga, protetor da Juventude.

O Instituto Visconti é o Liceu Clássico mais antigo de Roma, fundado em 1871, na sede do Colégio Romano, por Santo Inácio de Loyola, um ano após a fundação da Companhia de Jesus (1550). O Colégio foi dedicado a Ênio Quirino Visconti, ilustre arqueólogo romano.

Em seu discurso aos numerosos estudantes, acompanhados por seus docentes e familiares, o Papa disse que a comunidade escolar Visconti busca unir, com a instrução, a formação global do cidadão e do cristão.

Ilustres alunos do colégio

Aqui, Francisco recordou que, entre os ilustres alunos, que estudaram neste Instituto, destacam-se Eugênio Pacelli, futuro Papa Pio XII, Franco Modigliani, Prêmio Nobel da Economia e outras figuras importantes, que contribuíram para o progresso da ciência e da sociedade, favorecendo um diálogo construtivo entre fé e razão.

O Papa citou ainda nomes de outros grandes cientistas, que ali estudaram, e tantos outros jovens sacerdotes Jesuítas, que marcaram a história da Igreja moderna e se prepararam para partir para as missões. Em particular, Francisco falou do Padre Matteo Ricci, um dos primeiros que estabeleceu uma ponte de amizade entre a China e o Ocidente, implantando um modelo, ainda válido, de enculturação da mensagem cristã no mundo chinês. E o Papa acrescentou:

Os valores do Evangelho, que animaram a cultura de gerações e gerações de italianos, ainda podem iluminar consciências, famílias, comunidades, no respeito dos valores morais e do bem do homem”.

Educar para a inclusão, respeito e colaboração

A escola como tal – afirmou Francisco – é um bem para todos e deve permanecer uma oficina, na qual se educa à inclusão, ao respeito pela diversidade e à colaboração. É um laboratório que antecipa o que a comunidade deve ser no futuro. Aí a experiência religiosa desempenha um papel importante, no qual entra tudo o que é autenticamente humano:

A Igreja está comprometida, nas pegadas do Concílio Vaticano II, em promover o valor universal da fraternidade, baseada na liberdade, na busca honesta da verdade, na promoção da justiça e da solidariedade, especialmente para os mais fracos. Sem a atenção e a busca destes valores, não pode haver uma coexistência pacífica real”.

São Luís Gonzaga, padroeiro da Juventude

A seguir, o Papa disse que, no mesmo edifício do Colégio Visconti, encontra-se a monumental Igreja de Santo Inácio, em cujo interior se encontram os restos mortais de São Luís Gonzaga, sobre o qual celebramos o Ano Jubilar pelos seus 450 anos de nascimento. Ele frequentou este mesmo ambiente escolar de vocês. Sobre a vida de São Luís Gonzaga, padroeiro da Juventude, o Papa extraiu alguns aspectos de muita atualidade, como suas importantes escolhas de vida, sem se deixar levar pelo carreirismo e pelo “deus dinheiro”:

Há tanta necessidade de jovens, que saibam agir desta maneira, colocando o bem comum acima dos interesses pessoais! Por isso, é preciso cuidar da própria interioridade, através do estudo, da pesquisa, do diálogo educativo, da oração e da escuta da própria consciência. Tudo isso pressupõe a capacidade de criar espaços de silêncio”.

Livrem-se do vício de estar no celular

Neste sentido, Francisco encorajou os jovens “a não terem medo do silêncio e de suas consequências, de estar sozinhos, de escrever o próprio diário. Livrem-se do vício de estar no celular! Somente no silêncio interior pode-se ouvir a voz da consciência e distinguir as vozes do egoísmo e do hedonismo”.

Outro aspecto da vida de São Luís Gonzaga, disse o Papa, foi a sua capacidade de amar com coração puro e livre. Somente aqueles que amam podem conhecer a Deus. Na vida afetiva, são essenciais as dimensões da modéstia, da fidelidade, do respeito e da solidariedade com os outros, especialmente com os mais pobres.

O Santo Padre concluiu seu discurso aos estudantes do Instituto Visconti de Roma exortando-os ao voluntariado, sinal de esperança e de generosidade: “Quem não vive para servir não serve para viver”.

Com informações de Manoel Tavares – Portal Vatican News

Faltam

para a Festa da Penha 2019

Eventos

DomSegTerQuaQuiSexSab
 

1

2

3

4

5

6

7

8

9

10

11

12

13

14

15

16

17

18

19

20

21

22

23

24

25

26

27

28

29

30

 
 « ‹abr 2019› » 

Saiba mais

Facebook