Igreja Pelo Mundo

O Papa, as fake news e o ato de confiança nos jornalistas

Paz e Bem!
Nesta quarta-feira na Praça São Pedro, um coro de fiéis para o seu bispo foi transformado em um ato de protesto contra o Papa Francisco. Uma fake news que girou o mundo.

Alessandro Gisotti – Cidade do Vaticano

A cena é a habitual da quarta-feira na Praça São Pedro. O Papa conclui a sua catequese, concede a sua bênção e cumprimenta algumas pessoas que foram admitidas no chamado “beija mão”. Da praça ergue-se um coro, são fiéis que festejam alguém querido a eles, que pessoalmente está saudando o Santo Padre. Na manhã desta quarta-feira, ocorreu que os crismandos da diocese de Lucca entoaram um coro cantando o nome “Italo”, nome de seu bispo, Dom Italo Castellano, que estava cumprimentando o Papa Francisco.

Tudo normal se não fosse que alguém se disse convicto de ter ouvido um coro que exaltava Viganò, o ex-núncio nos EUA, autor do conhecido documento de acusação contra o Papa. A notícia é daquelas que fazem clamor, de primeira página. Pena que seja falsa. Para notar isso seria basicamente suficiente ouvir atentamente o vídeo do Vatican News no Youtube, portanto acessível a todos, para perceber que, apesar de não saber que era para “Italo”, certamente aquele coro não era para “Viganò”. O fato é que em poucos minutos a “notícia” se tornou viral nas mídias sociais e a partir daí – como cada vez mais acontece – passa  à informação main stream. Aparentemente sem filtros.

Em alguns sites de jornais, portanto, lemos que o Papa foi contestado pelos fiéis na Praça São Pedro, que exaltavam o “grande acusador” Carlo Maria Viganò. A verdadeira notícia surge em breve, graças ao profissionalismo daqueles que se dão ao trabalho de ouvir novamente o áudio e “descobrir” a presença na Praça São Pedro do grupo de fiéis da cidade de Lucca que, durante algumas horas, graças a esta fake news se tornaram “famosas” mesmo sem querer. A história, que tem alguns aspectos surrealistas e para alguns aspectos até mesmo cômicos, é na verdade o sintoma perturbador de um sistema midiático que, na busca exasperada do scoop da notícia, não analisa os fatos, mas os dobra  para o que parece ser a expectativa do seu público.

Precisamente o Papa Francisco, na sua última Mensagem para o Dia Mundial das Comunicações Sociais, explicou eloquentemente quais são as dinâmicas que levam à propagação de falsas notícias como esta. A eficácia das fake news, observa o Papa, “é devido principalmente à sua natureza mimética, isto é, à capacidade de parecer plausível. Em segundo lugar, essas notícias falsas, falsas mas prováveis, são cativantes, no sentido de que são capazes de capturar a atenção dos destinatários “. O Papa observa em seguida um “uso manipulador das redes sociais,” as notícias falsas “ganham uma tal visibilidade que até mesmo as desmentidas das com autoridade dificilmente conseguem conter os danos.” O que está em jogo? O que preocupa o Papa? Para Francisco, as “razões econômicas e oportunistas da desinformação estão enraizadas na sede de poder” que “nos faz vítimas de um imbróglio muito mais trágico de cada singular manifestação: o do mal, que se move de falsidade em falsidade para nos roubar a liberdade do coração “.

Desde o início de seu Pontificado, Francisco manifestou uma grande confiança nos operadores da informação. Uma confiança reafirmada ano após ano, concedendo numerosas entrevistas também a meios de comunicação que não têm nenhum poder – como a revisita dos sem-casa de Milão ou à rádio de uma favela argentina – e nunca evitando as perguntas dos jornalistas, mesmo as mais desconfortáveis. Um ato de confiança (e de responsabilidade) que renovou aos jornalistas precisamente no documento de Viganò. “Vocês têm a capacidade jornalística suficiente para tirar as conclusões”, disse o Papa no voo de volta da Irlanda, “é um ato de confiança”. Uma confiança que recorda a essência da profissão jornalística que busca a verdade e não a fabrica.

FONTE: Vatican News

Saiba mais

Facebook