Notícias

Mística missionária: o que os jovens meditam durante o trabalho de evangelização

As 11 dioceses banhadas pelo Rio Paraíba do Sul, local onde foi encontrada, há 300 anos, a imagem de Nossa Senhora Aparecida, recebem de milhares de jovens de todo o Brasil para realizar a Semana Missionária de 24 a 29 de julho. Dia sim, dia não, os jovens terão uma hora de preparação para a jornada missionária refletindo alguns temas: “Chamados como Maria: discípulos pela fé”, na segunda-feira; “Maria proclama sua gratidão a Deus”, na quarta-feira; “Maria, discípula fiel até a Cruz”, na sexta-feira.

A Diocese de Taubaté, uma das Igrejas Particulares na qual se realiza a Semana Missionária, publicou um texto para ser reproduzido e usado para encontros de oração entre os jovens no qual um capítulo dedicado ao primeiro tema da mística missionária: “Chamados como Maria, discípulos pela fé”. O texto traz a seguinte motivação: “a Virgem Maria é o modelo perfeito de entrega e fidelidade ao Senhor da vida e da história. Maria nos ensina a entender que todos viemos a este mundo com a missão de servir à humanidade. Tornar-se um verdadeiro missionário implica que a pessoa encontre uma motivação de fé para o serviço e a missão que abraçou. Como consequência dessa sua adesão de fé, veio o compromisso. Sua vida se tornou total doação a Deus. Nesse sentido, Maria nos mostra que a fé verdadeira é doação incondicional. Mais ainda: que a fé exige uma prática de doação aos irmãos. Assim, a partir do exemplo de Maria, o cristão entende que sua fé é entrega”.

Sobre o segundo tema da meditação sobre a mística missionária, “Maria proclama sua gratidão a Deus”, o texto lembra: “nós somos convidados a refletir sobre a gratidão. Maria visita sua prima Isabel. É uma visita cheia de alegria e convicção, pois Maria será a mãe do Salvador. Isso a faz exclamar com muita alegria o quanto é importante para ela ter sido escolhida para tão grande missão. Diante dessa feliz visita, ela é grata e proclama a grandeza do Senhor. Adorar a Deus é, no respeito e na submissão absoluta, reconhecer o nada da criatura que não existe a não ser por Deus. Adorar a Deus é – como faz Maria no Magnificat – louvá-lo, exaltá-lo e saber-se humilde porque Deus fez grandes coisas e seu nome é Santo. Vamos viver este dia como Maria viveu, cheios do Espírito Santo e proclamar que, no percurso de cada dia, o Senhor faz em nós grandes maravilhas”.

Papa Francisco também aprofunda esse tema em várias de suas menções a Nossa Senhora em homilias, discursos e mensagens. No discurso feito aos Jovens durante a Vigília da Jornada Mundial da Juventude no ano passado, em Cracóvia, na Polônia, referindo-se ao discurso de gratidão de Maria no Magnificat, ele disse: “Podemos definir revolucionária esta oração de Maria: o cântico duma jovem cheia de fé, consciente dos seus limites, mas confiante na misericórdia divina. Esta mulher corajosa dá graças a Deus, porque olhou para a sua pequenez e também pela obra de salvação que realizou no povo, nos pobres e nos humildes. A fé é o coração de toda a história de Maria. O seu cântico ajuda-nos a compreender a misericórdia do Senhor como motor da história, tanto a história pessoal de cada um de nós como a da humanidade inteira”.

O terceiro tema da mística missionária, “Maria, discípula fiel até a Cruz”, no texto que será utilizado pelos jovens durante a Semana Missionária no Vale do Rio Paraíba, é apresentado da seguinte maneira: “Hoje refletiremos sobre a fidelidade de Maria a Cristo na cruz. A fidelidade é a mais integral de todas as virtudes humanas. A fidelidade assegura-nos o tempo de criar e o tempo de reconstruir o que se tornou conforme a imagem do homem. Nada é digno de valor sem fidelidade. Por este motivo podemos dizer que a fidelidade de Maria ao seu Filho foi digna de valor, pelo cumprimento da vontade do Pai. Maria soube reconhecer, no plano de Deus, a plenitude de Seu amor”.

Os temas serão todos iluminados por trechos da Palavra de Deus e cânticos escolhidos pela juventude que terá também a possibilidade de partilhar sentimentos e pensamentos a partir de algumas perguntas formuladas pelo texto. Todos serão estimulados a organizar os locais dos encontros sobre os tema, todos com velas, imagens, jarras com água e com suco de uva, objetos que recordem os locais da missão.  No final de cada um desses encontros, os jovens missionárias vão renovar os propósitos para o dia e rezam juntos.

Fonte: CNBB