A bonita festa das mulheres para Nossa Senhora

Moacir Beggo

Vila Velha (ES) – Não podia ser diferente. As mulheres deram um espetáculo de beleza, cores e fé na Romaria a elas dedicada neste último dia do Oitavário em preparação para a Festa da Penha. Cerca de 100 mil mulheres saíram às 14 horas do Santuário do Divino Espírito Santo e chegaram na Prainha por volta das 16h30, quando Frei Fidêncio Vanboemmel, Ministro Provincial, presidiu o último momento devocional franciscano no Oitavário. Nesta segunda-feira, 8 de abril, dia da Padroeira do Espírito Santo, será feriado.

Os frades pediram balões e bexigas coloridos para as mulheres carregarem na Romaria. O que se viu foi um rio de cores pelas ruas de Vila Velha. Na Prainha, onde já milhares de pessoas esperavam a romaria, a coreografia ficou completa.

A Santa Missa, às 16 horas, foi presidida pelo bispo auxiliar de Vitória, Dom Rubens Sevilha, que havia celebrado duas vezes no Campinho nesta Festa, e teve como concelebrantes os frades do Convento da Penha, o guardião Frei Valdecir Schwambach, o  Ministro Provincial Frei Fidêncio Vanboemmel e o guardião do Santuário do Divino Espírito Santo, Frei Paulo Pereira, além de religiosos, diáconos e seminaristas.

Na sua homilia, Dom Sevilha cativou as mulheres logo no início. “Quero dizer para vocês que são lindas! Vocês são as lindas de Deus! Vocês já viram o Pai achar um filho feio, a mãe achar uma filha feia? Portanto, todos nós somos amados, queridos e bonitos aos olhos de Deus e é essa beleza, caros irmãos e irmãs, que ele quer para cada um de nós. Uma beleza de paz, como acabamos de ouvir na palavra de Deus. Jesus falou três vezes ‘A paz esteja com vocês'”, observou.

Dom Sevilha pediu a Nossa Senhora paz para o coração, sobretudo, daquelas pessoas que estão muito ansiosas, preocupadas com seus problemas, com suas dificuldades. “As que estão sendo tentadas pelo desânimo, com vontade de abandonar tudo, largar tudo, por causa de doença, por causa de problemas na família, de bebida, de drogas, falta de dinheiro, desentendimentos. Quem não quer dar paz para o seu coração? Essa paz que vem da confiança em Deus”, acrescentou, enfatizando que Deus não abandona seus filhos e filhas. Basta ter fé.

O bispo carmelita pediu paz também para as famílias, sobretudo aquelas que estão sofrendo com desentendimentos. E ele chamou a atenção para um ponto importante. “É a violência e a agressão contra a mulher dentro de casa. Isso não pode acontecer, é um pecado. E a cidade de Vitória é a capital que está em primeiro lugar no Brasil em violência contra a mulher. E a mulher foi criada para amar e construir a sua família. Uma pessoa foi colocada na sua vida para amar e cuidar e, com ela, construir uma família; não para agredir com palavras ou com gestos. Que esse pecado seja erradicado das famílias, que haja mais respeito entre o homem e a mulher e que haja mais paciência e perdão”, pediu, acrescentou pedindo paz para o nosso mundo, paz para o Espírito Santo e paz para o nosso Brasil.

O segundo ponto que destacou Dom Sevilha foi o medo que estavam os apóstolos quando Jesus chegou no meio deles. “Eles estavam com medo porque eles acreditaram em Jesus, mas Ele morreu e foi sepultado. Eles achavam ainda que Jesus estava no sepulcro, não sabiam que Jesus havia ressuscitado e, por isso, estavam tristes e com medo. Mas quando perceberam que Cristo estava ali, meus caros irmãos e irmãs, que bonito! Jesus chegou e soprou sobre eles e disse: ‘recebam o Espírito Santo!”, explicou. Segundo o bispo, os apóstolos sopram sobre cada um de nós esse sopro da vida. O sopro da fé e da esperança, sobretudo a quem está desanimado.

Segundo Dom Sevilha, manter a fé é sempre uma luta. “Neste caminho da vida, temos as nossas dúvidas. No Evangelho vemos isso com Tomé. Cada um aqui tem um pedacinho de Tomé no coração. Nós somos seres humanos e tem momento que a gente vacila. Tomé também duvidou. Este Tomé que caminhou com Jesus durante uns três anos, viu os milagres do Messias, sentou-se à mesa com Jesus ainda assim duvidou. Nós também temos nossos momentos difíceis e quando isso acontece parece que Deus se afastou de nós. Mas Deus nunca se afasta de nós. ‘ Mesmo quando não vemos, não sentimos, ele está sempre perto de nós. Jesus disse: ‘Não seja incrédulo’. E Tomé respondeu: ‘Meu Senhor e meu Deus!’ E ele disse: ‘Você está acreditando porque viu. Bem-aventurados aqueles que não veem e acreditam’. E somos todos nós aqui. Vivemos a presença de Deus na fé. Não enxergamos com os olhos da carne, mas mas enxergamos com o rosto da alma”, acrescentou.

“O Papa Francisco tem uma frase muito bonita: às vezes na vida, os óculos com os quais vemos Jesus são as lágrimas. Às vezes na vida, as lágrimas são as lentes, são os óculos, que nos permitem enxergar Jesus, enxergar a Deus. Aliás, quem não vai a Deus por amor, irá pela dor. O sofrimento nos aproxima de Deus. Não porque Deus nos castiga, nos corrige. A gente se aproxima de Deus porque a dor nos torna mais humanos, mais humildes. Na dor venceremos a nossa fraqueza, a nossa fragilidade. Na dor nós percebemos como precisamos do outro”, ensinou.

Dom Sevilha terminou com a seguinte história: Uma senhora estava passando pela calçada e viu um menino descalço, com frio e olhando a vitrine. A mulher ficou curiosa e perguntou o que ele estava fazendo. Ele disse: ‘estou olhando e pedindo a Deus que me dê uns sapatos’. Essa senhora ficou com pena, entrou na loja, comprou o sapato e meias e calçou o menino. E, na saída, na hora de ir embora, o menino virou para ela e perguntou: ‘Deus é seu marido?’ E ela respondeu: ‘Não é não, ele é meu pai’.

“Querida mulheres, vocês são queridas de Deus. Cada mulher é uma queridinha de Deus, porque em cada mulher Jesus enxerga a mãe dele, Maria”, completou Dom Sevilha.

ENCERRAMENTO DO OITAVÁRIO

O Ministro Provincial presidiu o Oitavário que encerrou com beleza e a Prainha lotada. Depois de dirigir algumas palavras sobre Maria à grande multidão de mulheres, Frei Fidêncio leu o texto do Concílio Vaticano II, “Dignitatis humanae” (Da dignidade humana), que diz o seguinte:

“Este Sínodo Vaticano declara que a pessoa humana tem direito à liberdade religiosa. Consiste tal liberdade no seguinte: os homens todos devem ser imunes da coação tanto por parte de pessoas particulares quanto de grupos sociais e de qualquer poder humano, de tal sorte que em assuntos religiosos ninguém seja obrigado a agir contra a própria consciência, nem se impeça de agir de acordo com ela, em particular e em público, só ou associado a outrem, dentro dos devidos limites. Além disso, declara que o direito à liberdade religiosa se funda realmente na própria dignidade da pessoa humana, como a conhecemos pela palavra revelada de Deus e pela própria razão natural.” (DH 2)

Frei Fidêncio enfatizou que hoje não há mais lugar no mundo para a intolerância religiosa e lembrou do encontro do Papa com os representantes de todas as religiões do mundo em Assis.

Neste dia da Padroeira, a programação está assim:

Missas na Capela: 0h (meia-noite), 2h, 6h, 9h e 12h

7h00: Campinho – Missa da CRB e Seminário Nossa Senhora da Penha

Romaria: Ciclistas – saindo 8h30 de Cobilândia

9h: Bandas de Congo homenageiam à Padroeira no Campinho e recebem a bênção.

10h00: Campinho – Missa das Pastorais

16h00: Prainha – Missa de encerramento da Festa de Nossa Senhora da Penha

Obs: Confissões: 8h às 11h e 14h às 16h30.

Shows

Show nacional religioso com os Cantores de Deus às 19h

Show de Eliana Ribeiro às 21h

Compartilhe e evangelize:

Imprimir
Copyright © 2017 Franciscanos.org.br - Todos os direitos Reservados.